Rio de Janeiro, 26 de Abril de 2017

Eu, tu, eles

Tornei-me amargurada com a vida.

Mas nem sempre foi assim.

Fui casada, sou mãe de três filhos, tinha independência financeira, era altoastral.

Em prol de marido e filhos larguei trabalho, carreira e sonhos, mededicando exclusivamente a eles.

Mesmo com todas as dificuldades, eles sempretiveram todo meu apoio e meu amor.

Hoje tenho 55 anos, sou divorciada e tenhouma boa convivência com meu ex-marido.

Minha amargura é justamente pelo fato deme sentir sozinha, e não obter a dedicação e carinho dos meus filhos e de meu ex-marido.

Não são poucas as vezes ou fins de semana que passo sozinha. 

O que mais me dói é que me doei tanto, deitanto de mim e hoje não recebo atenção.

Já conversei, já briguei e nada muda.

Muitas vezes me pego perguntando do que adiantou tanta doação, tanto amor se eunão recebo nem metade do que dou ou dei.

Minha vida vai passando e vejo que meuúnico projeto de vida não foi bem sucedido.

Afinal, não tenho meus filhos pertode mim e nem me sinto feliz.

 

Rosanne – MG

 

 

Eu, tu, eles

 

Cara leitora, aamargura talvez seja, em minha opinião, o maior inimigo de uma mulher.

Essa sua amargura está diretamente ligada ao que você define como um projeto que não foibem sucedido.

Primeiramentetemos que questionar o que você pretendia com esse projeto.

Se a sua respostafor ter seus filhos voltados e focados em você, asseguro-lhe, esse é o equívocoque você cometeu.

O maior erro que um ser humano pode cometer é justamenteacreditar que a recíproca é verdadeira. Não que não seja, mas a reciprocidade podenão acontecer, ainda mais se tratando de um projeto que você, exclusivamentevocê, escolheu. Ressalto que quem fez a escolha do projeto, bem como definiuprioridades, etapas e regras, foi você e não seus filhos ou ex-marido.

Esse sentimentoque te ronda não é exclusivo seu, ronda muitas mulheres-mães. Porém, suaamargura pode ser amenizada se você encarar de outro modo o seu projeto devida.

 

Seus filhos estão criados, direcionados e se tornaram homens de bem.

Assim sendo, nessa selva de pedra aonde parte da juventude se perde em drogas,bebidas ou outros caminhos negativos, se os seus não se encontram nesseuniverso; PARABÉNS, afinal seu projeto de vida foi bem sucedido.

 

Você foi MÃE ecomo mãe cumpriu sua missão.

 

Resta agora você encontrar um projeto de vida que a faça ser mulher.

Encontre em vocêum novo projeto que possa trazer uma nova leitura sua sobre você mesma.

Antes de ser mãe, você é mulher e, ampliando a leitura que você faz de você mesma,verá que, aos 55 anos, existem sim muitos projetos de vida a serem começados eterminados.

Seja feliz!

Afinal, não podemos exigir algo de alguém que esse alguém não possa nos dar.

 

Carinho, amor não se pede, se ganha! 

 

Garanto a vocêque existe muito amor na vida e no mundo esperando por você.

Permita-se.

 

Envie seu e-mail contando o seu caso para o psicólogo Thiago Spinelli responder.
E-mail
thiago.spinelli@universodamulher.com.br

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Thiago Spinelli

Fonte:Universo da Mulher