Rio de Janeiro, 26 de Abril de 2017

O vazamento de água

 

Não sei lidar bem com o que acontece comigo.
 
Sou uma mulher decidida, independente, e de certa forma realizada. Porém não me sinto sendo uma mulher bem resolvida.
 
Percebo que não consigo resolver as minhas questões no que tange minha vida social e amorosa. Acabo acumulando sentimentos, e fico passando de relacionamento para relacionamento.
 
Fico com a sensação de ser vazia. Acabo transferindo tudo para a bebida alcoólica, e quando bebo demais deixo todas as minhas frustrações, decepções e questões mal resolvidas explodirem. Acabo falando coisas que não devia, magoando meus amigos e depois me sinto péssima. Sinto que não consigo me relacionar de uma maneira saudável, e acabo estragando minhas relações.
 
Mesmo sabendo disso, não gosto quando apontam a bebida como algo que eu acabo usando para falar alguma coisa.
 
Madalena – Nova Granada
 
 
 
 
O vazamento de água.
 
 
Olhe para o interior de um apartamento.
 
Perceba que suas estruturas são fixas. As paredes, azulejos, cada bloco de tijolo; tudo é firme, bem definido e dividido. Agora perceba a decoração; os móveis, bibelôs, assentos. Mudamos as coisas de lugar, nos desfazemos, colocamos móveis novos, arrumamos, desarrumamos e tornamos a arrumar. Nós somos assim também.
 
Ao longo de nossa vida, vamos vivendo, vivenciando, experimentando, sofrendo, rindo e chorando e todo esse pacote do viver a vida faz com que a gente muitas vezes arrume nossos “móveis” internos.
 
Porém em certos momentos e situações, precisamos ir além de simplesmente mudar a mobília, e mexer de uma maneira maior e mais complexa.
 
Muitas vezes precisamos fazer uma obra, mexer na estrutura que antes era tão fixa e bem definida, e com isso criar uma nova fase, uma nova vida em um novo momento. Quando insistimos em maquiar as mudanças, e apenas maquiamos a obra, problemas podem acontecer com a estrutura.
 
Pronto.
 
Um buraco mal tapado em um cano velho pode não resistir a pressão da água e em longo prazo não só fazer um estrago no cano, mas também na sua parede, na parede do vizinho e o estrago acaba sendo muito maior.
 
O mesmo pode estar acontecendo com você.
 
Pergunte-se quantos buracos mal tapados você fez ao longo da sua vida.
 
Será que não seria melhor promover uma reforma interna, de maneira que você consiga se relacionar, resolver as questões e viver uma vida mais saudável sem precisar utilizar a bebida como “pedreiro” da sua vida emocional e social?
 
As mudanças internas nem sempre são fáceis mas em certos momentos são fundamentais e necessárias para não comprometer a estrutura que nos mantêm vivos e capazes de seguir em frente. 
 
Encare sua reforma interior e seja feliz.
 
 
Envie seu e-mail contando o seu caso para o psicólogo e especialista em relacionamentos afetivos Thiago Spinelli responder.
 
 
 
 
 
 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Thiago Spinelli

Fonte:Universo da Mulher