Rio de Janeiro, 26 de Julho de 2017

Orgulho e preconceito

Não sei mais o que pensar, falar ou questionar.

Minha família não aprova meu relacionamento.

Não é por questão financeira, pois ele é mais estável e ganha mais do que eu.

Não é por questão de idade, pois ele é apenas três anos mais velho do que eu.

Sinto até vergonha de escrever o motivo, mas minha família não aceita meu relacionamento, pois eu sou negra e ele é branco.

Dizem que nós não combinamos, e que eu deveria procurar alguém da minha raça, que todos do bairro ficam comentando.

Acredito que isso nada tem haver com felicidade, pois nos amamos, ele é uma pessoa de bem, trabalhador e honesto.
 
No início achei que fosse uma questão cultural, de diferença de geração, mas nunca imaginei que dentro da minha própria família, uma família de negros, encontraria racismo e preconceito.

Minha mãe chegou até a dizer que nossos filhos sofreriam, pois seriam claros com cabelo sarará e não se reconheceriam em nenhuma família, nem na minha e nem na dele.

Acho isso uma grande bobagem, mas como decidi marcar a data do casamento, minha família resolveu me ignorar e disseram que nem vão ao casamento.

Estou muito triste, pois consegui achar um bom homem, que eu amo e que me ama.

Mas, para viver esse amor, preciso romper com a minha família.

Nunca imaginei passar por uma situação dessas.

Priscila - Manaus
 
 
Orgulho e preconceito

Cara Priscila,

Imagino que sua situação não seja nada fácil.
 
Lidar com tamanha intolerância e com conflito familiar diante de uma situação que deveria ser motivo de felicidade como o casamento, é no mínimo irônico.
 
Porém, seu relato só vem ilustrar o que se instaurou nas famílias do Brasil e do mundo: o preconceito.
 
Olhando para a História do mundo, e não precisaríamos nem ir muito longe, basta prestar atenção à do nosso país. Perceberemos que o preconceito é presença marcante nas relações sociais.
 
O grande X da questão é que, em pleno século 21 onde os discursos são libertários, igualitários e politicamente corretos ainda acontecem fatos como o seu, ainda vemos homossexual sendo espancado em boates, idoso sendo desrespeitado na fila do supermercado.
 
Esse é o nosso mundo.
 
Mas isso não significa que tenhamos que agir com conivência ou aceitação.
 
O que falta hoje é justamente voz, voz para gritar para a sociedade, para o mundo, para qualquer que seja o deus, para - no seu caso - a sua família, que não há mais espaço para preconceito de nenhuma espécie!
 
Será que eles estão se dando conta de que com essa postura estão justamente afastando a filha do núcleo familiar?
 
Não vou dizer para você pesar ou pensar, pois não se trata de uma escolha, mas sim de fazer valer o que você acredita.
 
Se esse é o seu homem, o homem que você escolheu para casar, ter filhos e ser feliz, grite ao mundo.
 
Não se cale, não se omita e nem se aflija por uma questão que nunca levou ninguém a nada, o preconceito.
 
Essa é uma questão mal resolvida deles, e não sua.
 
A única forma de combater o preconceito é com orgulho.
 
Sim, orgulho de fazer o que te faz feliz, de ter liberdade de escolher com quem você quer se casar, deitar e amar.
 
Orgulho de saber que mesmo não tendo apoio suficiente, você lutou pelo que achava certo.
 
 
 
Envie seu e-mail para o psicólogo Thiago Spinelli responder.
E-mail thiago.spinelli@universodamulher.com.br
 
 
 
 
 

Crédito:Christina Gomes

Autor:Thiago Spinelli

Fonte: