Rio de Janeiro, 26 de Outubro de 2021

Passaporte, dólares e uma boa dose de cultura

Passaporte, dólares e uma boa dose de cultura
Que atire a primeira pedra quem nunca passou por uma saia-justa ao visitar um outro país com cultura e hábitos totalmente diferentes.
 
Atitudes simples como a famosa "interrupção" durante uma conversa, que para os brasileiros é muito comum, é vista pelos norte-americanos, por exemplo, como um ato de falta de educação.
 
E, assim como essa situação, dezenas de outras são consideradas verdadeiros "micos internacionais" pagos em viagens de lazer ou negócios.
 
"Os brasileiros tendem sim, não só a ver outras culturas sob o prisma da própria, mas também a esperar que as pessoas ajam exatamente como nós agimos", explicou Maysa Leme, supervisora acadêmica do Centro Cultural Brasil-Estados Unidos (CCBEU).
 
Ela conta que já passou por uma situação delicada enquanto esteve em Nova York com um grupo de brasileiros. "Eu me lembro do que aconteceu numa delicatessen. Havia clientes na fila para pagar a conta e um dos brasileiros que estava conosco foi perguntar alguma coisa à pessoa que estava no caixa. O funcionário simplesmente fez de conta que não havia ninguém ali e o nosso colega teve que voltar ao seu lugar na fila", explicou Maysa. 
 
Segundo a supervisora do CCBEU, em uma situação como esta, o brasileiro acredita que o americano é quem não tem educação. Mas para eles, quando um caixa de um estabelecimento está atendendo um cliente, ele jamais será interrompido por outro funcionário. De acordo com a cultura deles, tal atitude seria tomada como se ele estivesse relegando o cliente a um segundo plano.
 
Outros exemplos de gafes que devem ser evitados são: furar fila, fazer algazarra, ou apenas falar alto demais, hábitos tão comuns entre o povo brasileiro, considerado extrovertido, alegre e bonachão. Deve-se evitar também chegar muito perto de seu interlocutor ou tocá-lo como algumas pessoas fazem aqui no Brasil, indica Maysa. O famoso "apareça lá em casa para tomar um cafezinho", típico de qualquer bom mineiro é um convite que dispensa apresentação. No entanto, para os americanos não é bem assim. 
 
"Os convites são sempre com hora e dia marcados. Às vezes com hora marcada para sair também, pois tudo é bem planejado", afirma a supervisora. Diante desse contexto há o outro lado da moeda, ou seja, comportamentos adotados pelos americanos que são considerados absurdos para a rotina de um brasileiro.
 
"Eles também fazem muitas coisas ao mesmo tempo. Por exemplo, comem enquanto trabalham; comem e bebem enquanto dirigem (bebidas não-alcoólicas porque lá as leis de trânsito são bem mais rígidas), entre outras", contou Maysa. Quando os americanos vêm para o Brasil adoram os brasileiros e acham que somos muito amigáveis, mas, quando somos nós que vamos para lá, eles não vêem com muito bons olhos esta intimidade repentina.
 
É claro que há exceções. "Nem todos os americanos são assim, mas é recomendável que se tome esses cuidados no início. Antes de tomar uma liberdade maior, o brasileiro no exterior deve sentir o clima para decidir como se comportar", afirma Maysa. Portanto, antes de se aventurar por um país vale a pena conhecer a sua cultura e seus hábitos para que micos internacionais não façam parte da sua viagem.
 
 
Algumas recomendações para ser bem visto nos Estados Unidos:
 
Seja pontual e obedeça aos prazos.
 
Não fale alto demais, principalmente em ambientes fechados.
 
Respeite o espaço físico. Por exemplo: em um supermercado, quando um americano estiver escolhendo um produto, jamais passe o braço na frente dele para pegar algo.
 
Não segure o braço dos outros, não cutuque para chamar a atenção. Estas atitudes são consideradas muito rudes. 
 
As regras nos Estados Unidos foram feitas para serem lidas e seguidas.
 
Seja na universidade, na escola ou em um hotel leia as regras, antes de qualquer coisa. Nos hotéis, por exemplo, condutas inadequadas podem terminar na polícia.
 
Os americanos pedem desculpas com muito mais freqüência do que os brasileiros.
 
No Brasil, um pedido de desculpas pode ser sinal de fraqueza, mas nos EUA as expressões thanks, sorry e excuse me são sinais de educação. Deve-se pedir desculpas para ser aceito dentro dos padrões da classe média americana.
 
Se você for confundido com um espanhol por causa do idioma semelhante não fique irritado. A confusão é normal. Faça a correção de forma educada.

 

Crédito:Carla Silva

Autor:Carla Silva

Fonte:Centro Cultural Brasil-Estados Unidos