Rio de Janeiro, 26 de Outubro de 2021

Surrealista!

Surrealista, a paisagem dos Lençóis Maranhenses não segue nenhuma lógica. É um “deserto” entrecortado por lagoas de água doce, que secam por alguns meses e ressurgem na estação chuvosa. Nelas, misteriosamente, peixes, crustáceos e tartaruguinhas verdes reaparecem como se nunca tivessem saído dali.
 
 
Incomparável, a região faz parte do Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, criado em 1981. Com 155 mil ha de área, o parque é um sem-fim de dunas extremamente brancas.
 
 
Vista de longe, a areia parece formar uma casca lisa e uniforme, mas é só chegar perto para perceber sua textura irregular, “penteada” pelo vento forte que varre as dunas o tempo todo. A paisagem, redesenhada constantemente pela ventania, faz com que ninguém veja exatamente a mesma imagem duas vezes.
 
 
Nos Lençóis, a estação chuvosa vai de janeiro a junho. É nesta época que as lagoas renascem, e os rios, mais cheios, voltam a ser navegados com voadeiras e a trazer sustento para os moradores da região, que vivem da pesca neste período.
 
 
Na seca, o número de lagoas diminui e elas ficam menos caudalosas, mas encantam da mesma forma por sua beleza e pelo contraste de cores que expõem. Aliado a esse encanto, o sol contínuo e a temperatura agradável da água são a combinação perfeita para os banhos.
 
 
O pólo turístico dos Lençóis Maranhenses divide-se entre Barreirinhas e Atins, por onde o rio Preguiça passa. Mas desde 2001 a Korubo Expedições vem operando em Santo Amaro, a 305 km de São Luís. Com roteiro exclusivo, não há massificação nem a agitação típica das cidades turísticas. Por isso, a probabilidade de cruzar com outros grupos nos passeios, feitos em veículos 4x4 e a pé, é praticamente nula.
 
 
Outra diferença é o tipo e local de hospedagem oferecidos pela empresa. Saem as paredes de alvenaria, as ruas asfaltadas e a energia elétrica; entram as tendas de tecido, chão de areia e banhos à luz do luar e das estrelas. Montado ao lado do rio Alegre, o Safari Camp fica numa área particular de 44 ha em Santo Amaro. Relativamente distante do centro do município, o acampamento é verdadeiro refúgio ecológico.

*A jornalista Janaina Fidalgo viajou a convite da RCA Tours (www.rcatours.com.br/), da TAM (www.tam.com.br) e da Korubo Expedições ( www.korubo.com.br).

 

 

 
 
 
 
Janaina Fidalgo/Folha Imagem
No sentido horário, pôr-do-sol na lagoa da Gaivota; prato servido no Safari Camp; lagoa da Gaivota e Montado do Chico, com vista para lagoa dos Jacarés

Crédito:Anna Beth

Autor:Janaina Fidalgo

Fonte:Folha de São Paulo