Rio de Janeiro, 24 de Setembro de 2020

O corpo em dia

A medicina não evoluiu apenas nos tratamentos de doenças como o câncer e a Aids. Para a alegria da mulher, nos últimos anos a ciência da beleza também obteve progressos memoráveis, por exemplo, nos tratamentos da pele, hoje mais rápidos e certeiros. O número de sessões
de aplicação dos produtos está cada vez menor e os pós-operatórios, menos traumáticos. “Boa parte dos tratamentos já consegue atrasar o relógio do tempo de forma simples e econômica”, garante o presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Estética (SBME), Aloízio Faria de Souza.

Nem tudo são rosas. O fantasma da celulite, que atormenta a maioria das mulheres, é difícil de ser espantado. Mas é possível rejuvenescer o rosto entre dois e dez anos sem ter de recorrer ao bisturi. Não há resultados definitivos, no entanto. “É preciso fazer uma manutenção diária, já que o processo de envelhecimento é contínuo e incurável”, avisa o endocrinologista Wilmar Accúrsio, de São Paulo. Confira os principais recursos oferecidos hoje pela medicina estética.

Rugas e manchas – Especialistas dizem que os raios laser atenuam rugas, cicatrizes de acne, devolvem brilho à pele opaca e combatem a flacidez. Atravessam a superfície da pele sem queimá-la, agindo diretamente na derme, camada que contém o colágeno e a elastina, fibras que dão firmeza à pele. O laser reorganiza a trama elástica desgastada e estimula a produção de colágeno. “Após cada sessão, o paciente pode voltar ao trabalho”, afirma Cláudio Roncatti, presidente da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia.

A paciente pode receber injeções de substâncias para combater problemas como celulite e gordura localizada

Mais antigos no mercado, peelings (escamações) a laser com CO2 ou Erbium têm efeito mais eficaz e duradouro, além de só exigirem uma única aplicação. O problema é o pós-operatório, que se arrasta, em média, por seis meses. Apenas depois de 30 dias é possível retornar ao convívio social, mas a forte coloração avermelhada da pele só desaparece em meses. Mas um peeling profundo pode remoçar a
pele em até dez anos. Uma nova geração de
peelings a laser menos agressivos permitirá retirar manchas solares ou senis.

Outro recurso para o rosto é a toxina botulínica (substância proveniente da bactéria Clostridium botulinum). As atuais são do tipo A, caso do Botox (americano) e do Dysport (europeu). A novidade é o Myoblock, do tipo B. “É indicado para pacientes que têm alergia ou não respondem mais ao tratamento com a toxina tipo A dos produtos anteriores”, explica Accúrsio. Injetada no músculo, promove uma paralisia muscular temporária, resultando no desaparecimento das rugas mais leves e atenuação das mais profundas. É possível também, com uma agulhada da substância, empinar a ponta do nariz. O problema é que depois de seis meses o efeito desaparece, mas a aplicação pode ser repetida.

Onde a ação muscular não pode ser abolida, a solução é preencher rugas e sulcos com injeção de produtos como o ácido hialurônico. Após a aplicação, que demora dez minutos, a rotina diária pode ser retomada. O tratamento deve ser repetido, em média, após dez meses de cada aplicação. Novos produtos estão chegando ao mercado, como o ácido hialurônico em forma de gel. Outro produto ainda inédito no Brasil é o silk skin, um silicone com viscosidade mais fluida que promete preenchimento definitivo de rugas. Já está em uso nos Estados Unidos, sendo aplicado na área dos olhos e testado na pele do rosto. Também está em experiência o gel de ácido poliláctico, usado para preenchimento. Aplicado na pele, é capaz de estimular a produção de colágeno em dois anos. A técnica vem sendo adotada na Europa, em pacientes com Aids vítimas da lipoatrofia ou perda de gordura, um dos efeitos colaterais dos coquetéis de tratamento contra o HIV, o agente causador da doença. As novidades devem ser encaradas com cautela. “É preciso conhecer melhor essas substâncias estranhas”, alerta Accúrsio.

A luz intensa do light sheer age sobre os pêlos, impedindo ou retardando seu crescimento

Entre os produtos que estão no mercado, estão os ácidos retinóicos, derivados da vitamina A ácida. Eles contribuem para a atenuação de rugas. Para reduzir efeitos colaterais como vermelhidão, pele seca e escamação, vêm sendo desenvolvidos outros
derivados da substância, como o Adapalene e o
Creme Polimerizado de Tretinoína. Novos ácidos retinóicos de quarta geração, como Zorac e Tazaroteno, penetram rapidamente na pele e são convertidos em substância ativa.

Pêlos – O laser permite depilação de longo prazo, embora nem sempre definitiva. Na maioria dos casos, a cada sessão os pêlos tornam-se mais finos e crescem mais lentamente. Isso depende da quantidade de pêlos e da extensão da área a ser depilada. O laser só funciona em pêlos na fase de crescimento. Por isso, um ou dois anos depois, é preciso fazer outra aplicação. Novos tipos de laser, como o light sheer e o fast epilight, assim como aparelhos com luz intensa pulsada, como o Quantum, Photoderm e Spa Touch, de potência 50 mil vezes superior à de uma lâmpada de 50 watts, impedem ou retardam o crescimento dos pêlos em peles negras e orientais.

Estrias – Não existe ainda tratamento definitivo para estrias, mas é possível atenuar o problema. As cicatrizes mais recentes, avermelhadas, são mais sensíveis ao tratamento que combina peeling alcalino (favorece a penetração de medicamentos na pele), aplicação de ácido retinóico local (estimula o aparecimento de células novas) e a dermoabrasão (provoca o crescimento de novas células epidérmicas sobre as cicatrizes de estrias). A pele não pode ser exposta ao sol para não manchar.

Gordura localizada – Originária da lecitina de soja, a fosfatidilcolina, ao ser injetada, atinge as camadas mais profundas da pele, quebrando as células adiposas
e ajudando a dissolver a gordura localizada no culote, queixo, abdome, parte
interna dos joelhos e coxas. Ela é eliminada pelas fezes e urina. Podem ser feitas
de três a dez aplicações, a cada 15 dias. A área atingida fica inchada e
dolorida por três dias, podendo surgir hematomas e coceiras. A fosfatidilcolina
elimina também o xantelasma, depósito de gordura na pele que surge
principalmente na região dos olhos.

Varizes – Criada na Europa, a crioescleroterapia utiliza os mesmos produtos da escleroterapia normal (injeções de glicose em alta concentração, aetoxiesclerol ou polidocanol, que destrói o vaso sanguíneo), mas com um equipamento que diminui a temperatura do produto injetado para 40 a 50 graus abaixo de zero. A parede interna do vaso é destruída pelo frio, que diminui a sensação de dor e aumenta a potência do tratamento. O custo por sessão é 50% superior ao do tratamento convencional. O ácido tioglicólico vem sendo utilizado para tratar as manchas dos membros inferiores causadas por varizes e suas complicações, como as úlceras.

Celulite – Grande vilã da beleza feminina, a celulite afeta 80% das mulheres ocidentais e decorre do desequilíbrio hormonal, da má alimentação e da vida sedentária. Mas é possível atenuar o problema. Injeções de drogas ajudam a quebrar as células adiposas, melhorando a circulação. Quem tem alergia a medicamentos alopáticos pode substituí-los por produtos homeopáticos. Outra alternativa é recorrer a um aparelho que auxilia a eliminar toxinas, melhora a circulação e o tônus da pele e contribui para evitar o acúmulo localizado de gordura.

Vitiligo – O Excimer Laser é apontado como arma eficiente no combate à doença, caracterizada por uma despigmentação da pele. A novidade foi apresentada em Salvador, em junho, por Julius Spencer, professor do departamento de dermatologia da Universidade de Monte Sinai, em Nova York. Segundo o pesquisador, a técnica vem apresentando bons resultados nos Estados Unidos.

Crédito:Marcio Vasconcellos

Autor:Redação

Fonte:Isto É