Rio de Janeiro, 22 de Outubro de 2021

Técnicas cirúrgicas remodelam o bumbum

Técnicas cirúrgicas remodelam o bumbum
Nos últimos 5 anos, o Brasil presenciou uma febre de cirurgias para o aumento das mamas. Mesmo assim, o bumbum é, até hoje, o centro das atenções dos brasileiros. Não é à toa que Gilberto Freire o apelidou de “paixão nacional” no maior estudo antropológico sobre o assunto. Hoje, é possível escolher variadas opções para aumentar o tamanho ou melhorar o formato dos glúteos.
 
Quando a cirurgia-plástica ainda não possuía recursos para modelar o bumbum, somente exercícios físicos e tratamentos estéticos davam um upgrade no visual e fortaleciam esta região. Mas nem sempre os resultados eram satisfatórios. Por isso, a medicina desenvolveu próteses adaptáveis aos glúteos e técnicas de enxerto de gordura na região. “Se compararmos com as mamas, a cirurgia em nádegas exige maiores cuidados devido a estruturas neurovasculares presentes no local”, afirma Dra Deusa Pires Rodrigues, especialista em Cirurgia Plástica e Membro efetivo da SBCP – Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. 
 
Próteses
 
A prótese de silicone é colocada abaixo dos músculos do bumbum, como explica a especialista. “A intenção é que ela fique bem protegida. O material é inserido por uma única incisão vertical de 10 centímetros, exatamente no meio das nádegas”, conta. Dessa forma, a cicatriz fica escondida e torna-se imperceptível com o tempo. De acordo com Deusa, um biquíni fio-dental cobre a marca da intervenção perfeitamente.
 
Enxerto
 
Já o enxerto de gordura é mais imprevisível para quem deseja resultados pré-determinados. “Esta técnica exige a retirada de gordura do próprio paciente, e em seguida, a introdução dela no bumbum, por uma cânula semelhante à da lipoaspiração. Porém, o organismo absorve parte dessa gordura por ser um tecido morto. Pode ocorrer de um glúteo absorver quase tudo, ou somente 50%, causando uma sutil diferença entre os dois lados”, explica. Mas a médica acredita que, geralmente, esta técnica possui resultados satisfatórios.
 
A recuperação da (o) paciente dura cerca de 15 dias, e, neste tempo, deve-se deitar de bruços e evitar a posição de assento. “Após esse período, a paciente pode se sentar na beira da cadeira, ou seja, ainda sem relaxar totalmente, até completar 30 dias da cirurgia. Depois está recomposta para atividades normais”, ressalta a especialista.
 
Lipoaspiração
 
É importante lembrar que estas duas intervenções são indicadas para quem deseja aumentar o volume do bumbum. Quando se fala de formato, pode-se modifica-lo por próteses. Mas, segundo Deusa, se as nádegas já forem avantajadas, a prótese é contra-indicada. Neste caso, somente uma lipo pode melhorar seu contorno.  “Há uma gordura no fim das costas que atrapalha a projeção do bumbum, dando a impressão de que a mulher é reta. Nestes casos, uma lipoaspiração na região inferior das costas e nos culotes melhora o aspecto e o contorno do bumbum”, conclui Deusa.
 
 
DRA DEUSA PIRES RODRIGUES – Especialista em cirurgia Plástica
 
Membro  Efetivo  da  Sociedade  Brasileira  de  Cirurgia  Plástica 
Rua  Doutor  Neto  de  Araújo,  320,  conj.  105 - Vila  Mariana
(11)  5084-4193  /  (11)  5084-4193

Crédito:Tais Laporta

Autor:Vera Moraes

Fonte:Vera Moraes Assessoria de Imprensa