Rio de Janeiro, 30 de Maio de 2017

Pai

Pai
Desde pequena ele esteve ao meu lado. Ensinou lições que levarei por toda a vida.
Mostrou que é sempre bom usar proteção ao andar de bicicleta.
E, mesmo quando não o ouvia, ele ainda assim estava lá com um remedinho na mão e um sopro milagroso.
 
Revelou-me que é importante me amar antes de ser amada e que há meninos homens e homens meninos e que nem um dos dois deve ser levado tão a sério. Assim como a vida, que deve ser vivida intensamente, mas com responsabilidade.

Lembro quando me levou para o circo pela primeira vez. Onde em minha pequena estatura, girafas eram gigantes e palhaços assustadores. Mas, ele segurou a minha mão e me fez saber que ao seu lado nada poderia temer. Ele foi meu herói em meus livros infantis e também na vida real. Mesmo sem espadas e escudos, soube fazer do amor a melhor arma.
Meu guarda-costas ao esperar acordado enquanto voltava de uma festa madrugada. Meu professor nas minhas primeiras aulas de direção. Meu mágico ao tirar a dor do meu peito depois de um namoro rompido. Meu psicólogo que sabe escutar e falar na hora certa e, sobretudo, meu amigo por me fazer compreender que aconteça o que acontecer sempre o terei ao meu lado.
Brigamos, é claro, mas quem nunca brigou com alguém especial?
E por causa dele sei hoje que nem todos os homens são iguais. Eles podem chorar e não serem fracos e que podem também demonstrar afeto sem se sentirem constrangidos.
E, foi ao observá-lo que aprendi que ninguém pode substituir um outro alguém especial em nossas vidas. Por isso que jamais pretendo fazer dele uma lembrança, e sim uma certeza: a de que o tempo jamais será páreo para esquecer tudo que foi, é e será meu pai em minha vida.
 
 
 
Visite a coluna de Mayara Paz acessando aqui.
 
 
 
 

Crédito:Mayara Paz

Autor:Mayara Paz

Fonte:Universo da Mulher