Rio de Janeiro, 20 de Novembro de 2019

Arrogância: estou fora!

Arrogância: estou fora!
Particularmente acredito que ainda está para ser criado sentimento mais impuro que a arrogância. Aquela coisinha que fica dentro das pessoas pedindo para ser liberada e quando isso acontece se transforma num monstro de grandes presas e garras afiadas, que rompe relacionamentos e arrasa corações.

Os arrogantes têm como característica marcante a capacidade de irritar com um mísero cruzamento de braços, uma postura de superior como se o olhar do alto fosse marca de nascença. Outro ponto característico é rir das teorias dos demais, mesmo em uma conversa informal, desrespeitando as diferenças e mostrando-se longe de uma evolução moral.

Com as palavras testemunham o mundo como um lar para seu ego, onde as ruas são suas passarelas de desfile e as vitrines seus espelhos de vaidade. Imperam num reino em que todos os demais são bobos da corte a entretê-los com algo falado ou feito - mesmo que sejam pontos interessantes, eles não admitem, pois seria demais para sua prepotência imaginar alguém igual a ele.

E, de uma forma imaginativa, acham-se melhores que todos os outros. Podem até saber de um ou outro assunto, mas, com a incrível incapacidade de trabalhar em grupo, freiam o conhecimento que poderia ser passado à frente.

São mais tolos do que jamais ousariam acreditar, pois fogem da simplicidade como quem sabe, no fundo, que a magia de ser atenção em conversas, por seu carisma e inteligência não é para quem quer, mas para quem pode – e estes, ao agregarem a arrogância a si, já não são mais o centro das atenções, mas sim centro de seu próprio ego.
 
 

Crédito:Mayara Paz

Autor:Mayara Paz

Fonte:Universo da Mulher