Rio de Janeiro, 18 de Novembro de 2017

A arte de envelhecer - Por Mayara Paz

A arte de envelhecer - Por Mayara Paz
As mãos já não têm a firmeza de antes, os pés já não podem dar o caminhar seguro de anos atrás, o corpo em conjunto parece armar-se contra o próprio dono. Mudam-se as formas, os pesos, a postura, e até mesmo o olhar parece perder-se na saudade do tempo que não volta mais.

 O que sobra ao final da jornada? Memória. Lembranças dos tempos vividos, das atividades realizadas, dos filhos a quem foi dada vida e dos sentimentos somados. A vontade de relatar o que viveu é o que resta. Dividir as experiências, reafirmar conceitos e ensinar caminhos são uma necessidade. No entanto torna-se, na maioria das vezes, uma ação reprimida. Sobram intenções, contos e estórias, faltam companhia, atenção e carinho.
 
Àqueles a quem dedicaram suas vidas lhe dão as costas. Afinal, há coisas mais importantes a fazer do que cuidar de um velho - assim pensam alguns. Sorte a deles que estes tais “velhos” não pensaram assim quando foi dado o primeiro passo dos filhos ou quando se chorou com fome ou pediu um colo, um pouco de atenção.
Mudaram-se as posições. Hoje o apoio, a força de antes é quem precisa de ajuda, para se por de pé, para levar a comida à boca, para ninar um sono, afastar o medo do escuro, como feito há tempos. A liberdade de alguns foi podada, há limites para uma ida ao parque, um curvar-se para acariciar uma criança ou um simples pentear de cabelos.
Os sonhos muitas vezes independem da vontade. São um misto de querer com o pouco de poder. Mãos e pernas já precisam de suporte. Como se já não bastasse, o coração se entristece não apenas com as horas finitas, mas com a saudade dos entes que não o querem mais.
 
Não tem paciência? Tem mais o que fazer? Sugiro que apenas ponha-se no lugar de quem hoje lhe pede um mísero olhar de confiança, um abraço fraterno. Que tal antecipar a necessidade que será sua um dia? Afinal, inevitavelmente este também será o seu lugar. Se isso não for suficiente lembre-se que se hoje você tem um bom trabalho e o tempo limitado por tantos afazeres, é por culpa deste “velho” que hoje lhe pede algo simples, a sua companhia.
 
Contato com a autora:
mayarapaz@hotmail.com
http://www.orkut.com/Home.aspx?xid=762556734112143653
 
 

Crédito:Mayara Paz

Autor:Mayara Paz

Fonte:Universo da Mulher