Rio de Janeiro, 25 de Maio de 2022

Maternidade x sexualidade: Quando a chama do desejo ameaça apagar

(*) Katia Horpaczky
 
Desde que o mundo é mundo, a mulher se sente dividida entre esse  os papéis de mãe e mulher. Como se eles pudessem ser dissociados.  
 
Apesar de toda mulher já ter escutado que "ser mãe é padecer no paraíso", elas continuam desejando ter filhos.
 
A mulher sempre acaba dividida entre dois lados: o demétrico, ligado à maternidade, e o afrodisíaco, ligado à sexualidade. Toda mulher tem esses dois lados, mas algumas são mais maternais que outras.
 
Em todo início de relacionamento, o sexo quase sempre é maravilhoso. Lugares inusitados, fantasias mil, libido à flor da pele, fogo e paixão.
 
Com o passar do tempo, a estabilidade emocional, a intimidade a rotina passa a ser uma ameaça constante para aquele fogo que lentamente vai apagando.
 
Homens e mulheres sentem e  demonstram de forma bem diferente o desejo sexual.
 
Alguns homens se sentem rejeitados e, muitas vezes, humilhados quando a parceira se nega a fazer sexo.
 
Dificilmente eles compreendem que naquele momento ela não está sentindo as mesmas necessidades.
 
É preciso manter a calma e conversar abertamente sobre as necessidades e os desejos sexuais de cada um.
 
Para manter uma relação sexual com qualidade é preciso estar conectado emocionalmente no outro, estar bem fisicamente, motivado e relaxado.
 
Para a maioria das pessoas sexo é muito mais do que prazer físico. É uma forma de expressão que revela a personalidade de cada um. Portanto, o que se faz ou sente neste momento de troca reflete a visão que cada um tem do outro, da vida e do mundo.
 
Você já parou para pensar o que representa para você?
 
Ao ter uma compreensão maior sobre a sua personalidade sexual, é possível saber o que está bom e o que precisa ser melhorado na sua  vida a dois.
 
A maioria das mulheres-mães não tem tempo para analisar sua sexualidade, preferem dedicar-se aos filhos e a casa.
 
É por isso que as questões sexuais continuam sendo um tabu.
 
Conhecer o seu corpo e como você gosta de ser tocada, o prazer da vida a dois pode ser muito gratificante.
 
Todas as mulheres têm em mente um modelo que representa a sexualidade feminina?
 
Acontece que ao se tornar mãe e esposa, a mulher inconscientemente deixa o lado sexual adormecer.
 
Esquecem que sente desejo, vontades.
 
E o resultado dessa atitude é deixar o sexo esfriar e  cair na rotina.
 
Cabe a nós mulheres perceber o que precisamos trabalhar nessa questão da maternidade x sexualidade. Uma não exclui a outra.
 
Em outras palavras, os parceiros se ressentem da falta de desejo, do fogo e da paixão da época de namoro.
 
Existem alguns fatores que podem desencadear a falta de interesse pelo sexo:
 
Problemas emocionais
Rotina
Estresse
Despreparo sexual
Falta de informação
Fadiga
Depressão
Relação insatisfatória
Alguns medicamentos
Excesso de trabalho
Pressão profissional
Religião
Ejaculação precoce
 
Se a sexualidade está sendo o último item das suas prioridades, você está tendo problemas.
 
Este é o ponto de partida para as discussões e as dificuldades conjugais.
 
A satisfação sexual e o tesão que um sente pelo outro são fundamentais para a felicidade fora da cama e são a base da relação.
 
É este tesão que reacende a vontade de permanecerem juntos e que, inconscientemente, permite que um admire o outro mesmo nos momentos de crise e faz com que as outras pessoas não representem um risco ao relacionamento.
 

 
 
 
(*) Katia Horpaczky é Psicóloga Clinica e Organizacional, Psicoterapeuta Sexual, Familia e Casal, Especialista em Workshops Vivenciais e Jogos Organizacionais.
E-mail:
katia@rodadavida.com.br
Tel: (11) 5573-6979
 

Crédito:Suely dos Santos

Autor:Katia Horpaczky

Fonte:Universo da Mulher