Rio de Janeiro, 19 de Maio de 2024

Fimose feminina existe?

Entenda o que é a Fimose feminina 

Já ouviu falar em fimose feminina?

Quando surge a palavra "fimose", as pessoas costumam pensar em algo relacionado ao órgão sexual masculino. Ou seja, é reconhecida por uma condição em que o prepúcio do órgão genital mascunolo não foi retirado. 

Logo, em homens com fimose, a ponta do pênis pode parecer como anéis de pele dobrada.  No entanto, essa não é uma condição única e exclusivamente dos homens, acredite ou não, uma condição semelhante ocorre nas mulheres também, principalmente na infância. 

Ou seja, as meninas nascem com essa condição, e muitas vezes crescem, se tornam  independentes e trabalham com consultoria em gestão de pessoas, ou em lojas de roupas, por exemplo, mas não entendem porque possuem dificuldade na relação sexual. 

Por isso que esse é um assunto tão importante, a fim de que mais pessoas conheçam e entendam a condição, sem preconceito, e também, para que as mulheres procuram ajuda com médico ginecologista. Confira agora oque é fimose, causas e tratamento. 

Fimose feminina, o que é?

Segundo estatísticas, cerca de 3% das meninas apresentam fimose feminina. Essa condição é caracterizada pela obstrução de pele entre os pequenos lábios da vagina, e pode perdurar até a puberdade. 

Ocorre com mais frequência em meninas com menos de 2 anos de idade. A principal causa da fimose feminina está associada a uma baixa concentração de hormônios femininos típicos na infância. 

É preciso destacar que existem diferentes tipos de fimose feminina, como no caso da fimose clitoriana, um distúrbio anatômico em que a pele ao redor do clitóris de uma mulher é total ou parcialmente dobrada e obstruída.

Em outras palavras, a fimose feminina é quando a pele que reveste alguma parte do órgão sexual feminio, provocando dificuldades na relação sexual quando adulta, pois em alguns casos, pode até mesmo revestir toda a cavidade. 

Como mencionamos, essa é uma condição em que a mulher já nasce com ela. Mas infelizmente, a condição raramente é relatada e muito mal compreendida.

Ou seja, por mais que as mulheres tenham ganhado mais força no mercado de trabalho, seja trabalhando com portaria remota Curitiba, ou sendo diretoras em uma instituição de ensino, algumas coisas ainda são necessárias serem discutidas e faladas por elas. 

Como identificar a fimose feminina?

Os médicos e doutores especialistas em saúde feminina alertam sobre a importância de identificar a fimose feminina na tenra idade, quando ainda são meninas. 

Como os sintomas vão depender do grau de adesão de pele entre os pequenos lábios, é preciso que os pais fiquem atentos a esses sintomas nas meninas:

  • Dificuldade para urinar;

  • Dor na região vaginal;

  • Corrimento vaginal;

  • Infecções urinárias ou vaginais recorrentes.

Além disso, se houver gotejamento de urina, parecida com uma bomba dosadora de cloro, por exemplo, também é preciso estar em alerta. Assim como em casos de após urinar, ocorrer a presença de corrimento anormal, é importante consultar um especialista. 

Em casos mais simples, a constituição pode melhorar na adolescência, que é o prédio da puberdade. 

Mas se houver dificuldade, até mesmo antes das moças quererem entrar para um projeto de academia, ou mesmo antes de iniciar uma vida sexual, é preciso diagnosticar e tratar, a fim de evitar sofrimentos e traumas. 

Ou seja, é essencial levar as meninas até mesmo antes da puberdade, a fim de certificar que não exista a fimose feminina, diante dos sintomas citados. É uma forma de prevenir que se prolongue essa condição, que pode atrapalhar a vida adulta da mulher. 

Portanto, assim como o isolamento acústico industrial é necessário que as mais diversas grandes empresas se adequem às exigências da legislação brasileira, é essencial realizar consultas ao ginecologista, a fim de adequar o melhor tratamento.  

Tipos de fimose

Como mencionamos, existem tipos de fimose. Primordialmente, a fimose fisiológica e a fimose patológica. Além disso, a doença apresenta diferentes graus que variam de 1 a 5. A classificação dos tipos de fimose é baseada em sintomas e características.

Fimose fisiológica

A fimose fisiológica, também conhecida como fimose primária, é o tipo de patologia mais comum. Na verdade, pode aparecer desde o nascimento e afeta a maioria das meninas recém-nascidas.

Em cerca de 90% dos casos, resolve-se sem necessidade de intervenção médica nos primeiros anos de vida ou adolescência.

Fimose patológica

Por outro lado, a fimose patológica, também chamada de fimose secundária, não é tão comum quanto o primeiro tipo. Portanto, pode aparecer em qualquer idade e não se resolve com o tempo. Entre as possíveis causas de fimose patológica, destacamos:

  • Inflamação;

  • Infecção local;

  • Má higiene da região vaginal;

  • Doenças de pele: eczema, psoríase;

  • Entre outros

Em estágio mais avançado, a fimose patológica pode causar infecção urinária, além de dificultar a limpeza do local. Nesse sentido, outros aspectos que podem ser afetados pela patologia são a vida sexual, pois pode haver dor durante a atividade sexual.

Vamos tratar mais adiante as causas com mais detalhes. Além disso, a fimose patológica aumenta a suscetibilidade a doenças sexualmente transmissíveis, HPV ou câncer. Portanto, a fimose patológica requer tratamento por um médico especialista o mais rápido possível. 

Logo, assim como é necessário que um professor tenha certificação técnica por competência EAD para dar aulas online, é preciso procurar um médico ginecologista, que estudou e fez residência para tratar a fimose feminina com cuidado.

De acordo com o grau da doença e pode exigir apenas medicação local ou mesmo cirurgia.

Principais causas

Hoje em dia tudo pode ser pesquisado na internet, seja sobre destinos incríveis para viajar, ou sobre roupas em promoção para comprar, ou tubo de papelão onde comprar, por exemplo. 

Mas é certo que as pessoas também pesquisam muito sobre causas e sintomas de doenças e condições, assim como você deve ter pesquisado sobre fimose feminina e agora está aqui para entender um pouco mais sobre o assunto. E isso é muito bom. 

Divulgar e informar as pessoas é nosso propósito com este artigo e este blog, mas acima de tudo, é essencial procurar um médico especialista diante de qualquer tipo de sintoma de qualquer doença ou condição que esteja suspeitando. 

Como já mencionamos os principais sintomas no tópico anterior, agora vamos destacar as principais causas, para você se manter mais informado. Lembrando que não elimina a necessidade de procurar um médico especialista.

A primeira e principal causa da fimose feminina é a congênita. Ou seja, a menina nasce com essa condução. No entanto, a condição pode ser  adquirida por algumas causas, incluindo as seguintes:

Atrofia vulvar pós-menopausa

A atrofia vulvovaginal pós-menopausa resulta em constrições e estenose (estreitamento e encurtamento do canal vaginal), levando ao comprometimento da função do clitóris.

Além disso, níveis mais baixos de estrogênio podem fazer com que o tecido da vulva fique mais fino e seco do que antes da menopausa.

Trauma obstétrico

O trauma pode ocorrer devido ao parto natural, suas complicações ou o impacto adverso de procedimentos cirúrgicos.

Os sintomas da condição tendem a depender do que a causou em primeiro lugar.

O trauma obstétrico causa cicatrizes vulvares, danos nos nervos e perda de sensibilidade na área, incluindo o clitóris. 

Dermatose inflamatória

A dermatose inflamatória crônica pode incluir qualquer um dos seguintes sintomas, dependendo do organismo causador da condição:

  • Líquen escleroso:Inflamação e adelgaçamento dos tecidos epiteliais;

  • Líquen plano: Prurido, queimação, dor, dispareunia, revestimento de clitóris;

  • Hidradenite supurativa: folículos infectados, formação de múltiplos abscessos.

Vamos explicar a seguir com mais detalhes algumas dessas condições de inflamações:

Dermatose inflamatória crônica 

Distúrbio que afeta a área vulvar – incluindo o clitóris – onde a pele fica irritada, inflamada e dolorida ao toque.

Líquen escleroso (LS) 

Uma doença rara caracterizada por manchas brancas lisas na pele da área genito-anal. Pode causar a formação de bolhas na área afetada, bem como dor, coceira e sangramento.

Essa é de fato uma causa forte de fimose feminina em mulheres ao longo da vida, independentemente se trabalham com impressão de pastas personalizadas ou como diretoras de uma empresa de automação, por exemplo. 

Tratamento de fimose

Em casos leves, durante a adolescência pode simplesmente “sumir“a condição. 

E se for causada ​​por uma infecção cutânea, os corticosteróides tópicos são a primeira linha de tratamento para resolver a fimose feminina. 

Estes podem ser complementados ou usados ​​em conjunto com antibióticos orais para prevenir a propagação da infecção para outras partes do corpo e para acelerar o processo de cicatrização. 

Além disso, procedimentos não cirúrgicos, como a lise de aderências do clitóris, têm se mostrado benéficos. A lise das aderências do clitóris é um procedimento em consultório no qual um agente anestésico tópico é aplicado ao clitóris. 

A pele do clitóris é esticada suavemente, removendo o esmegma e permitindo que o capuz seja removido livremente sem restrições. Não há corte ou sutura envolvidos.

No entanto, infecções mais graves podem levar a cicatrizes irreversíveis e exigir cirurgia, por isso é importante falar com seu médico imediatamente se estiver sentindo dor no clitóris ou disfunção sexual.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Jennifer Kauffman

Fonte:Guia de Investimento