Rio de Janeiro, 04 de Dezembro de 2021

Inverno exige mais atenção com a saúde


Com a chegada do inverno, entram em cena uma série de doenças, como asma, bronquite, rinite, pneumonia, sinusite e gripe, que aumentam significativamente o movimento nos ambulatórios médicos e hospitalares nesta época do ano.
 
Segundo o Dr. Sérgio Marques da Silva, pneumologista da Home Doctor, empresa de Assistência Médica Domiciliar, o número de chamadas e saídas de ambulâncias para pronto-atendimento no inverno aumenta cerca de 30% só para atendimento de pacientes com complicações decorrentes das mudanças climáticas.
 
As doenças de inverno mais comuns são as que atingem a garganta e o aparelho respiratório. Seus alvos preferidos são as vias respiratórias superiores (o nariz), a garganta, os ouvidos e os pulmões. Predisposição genética, principalmente no caso de doenças alérgicas, mofo, contato com poeira, ácaros, gripes e resfriados mal curados também são fatores desencadeantes. Além disso, nesta estação, as pessoas permanecem mais tempo em ambientes fechados, o que facilita a troca de bactérias e vírus.
 
Se tratadas adequadamente, essas doenças só trazem grande desconforto, mas é preciso estar atento aos sintomas. Em geral, secreções amareladas ou muito espessas, febre alta, dores fortes na cabeça ou no peito e dificuldades respiratórias indicam a necessidade de tratamento de emergência.
 
 “Pacientes já debilitados por uma outra doença ou em tratamento médico têm mais chances de contaminação por doenças de inverno que, em regra, aparecem em organismos com baixa resistência”, afirma o pneumologista da Home Doctor, Dr. Sérgio Marques da Silva. No entanto, em decorrência das mudanças de temperatura, maior concentração de poluentes, redução da umidade do ar, qualquer pessoa está mais vulnerável às doenças típicas da estação.
 
 
Dicas do Médico:
 
* Tomar anualmente a vacina contra gripe (a vacina deve ser tomada antes do resfriado ou gripe aparecer, caso contrário, não terá efeito);
* Evitar contato com pessoas infectadas;
* Aumentar a hidratação do organismo com o aumento do consumo de líquidos, principalmente água;
* Evitar esforço físico;
* Aumentar a ingestão de alimentos ricos em vitaminas, principalmente A e C;
* Usar agasalhos, mas não em excesso;
* Tomar remédios sintomáticos nos primeiros sinais de gripe (anti-térmico, anti-gripal...);
* Evitar contato com fatores que desencadeiam processos alérgicos e irritação das vias respiratórias, como mofo, bolor, poeira etc;
 
Conheça algumas das principais doenças que aparecem no inverno
 
ALERGIA: "resposta imunológica exagerada", isto é, ocorre quando nosso organismo reage com exagero a alguma substância estranha. Em geral, tem motivação genética.
Sintomas: Tosse, coriza, coceira nos olhos, na garganta e, muitas vezes, na pele.
Prevenção: A primeira providência é descobrir a fonte da alergia, que deve ser diagnosticada por um médico especialista, e manter-se longe do agente causador.

ASMA: também conhecida como "bronquite asmática" ou "bronquite alérgica", é uma doença que congestiona os brônquios, impedindo que o ar chegue até os pulmões. Pode ser causada por diversos fatores, e atinge cerca de 10% da população brasileira, sendo mais freqüente nas crianças.
Sintomas: os principais são a falta de ar e o "chiado" na respiração.
Prevenção: ficar longe dos agentes alérgicos e, em casos mais graves, tomar a medicação preventiva, prescrita pelo médico.

BRONQUITE: reação inflamatória dos brônquios que impede o ar de chegar aos pulmões.
Sintomas: Catarro, tosse seca e chiado no peito. Com o agravamento, há tosse com escarros, dor atrás do osso do peito, fadiga, mal-estar geral e febre.
Prevenção: não fumar ou permanecer em ambientes poluídos.
 
 
GRIPE: doença muito contagiosa que ataca as vias respiratórias (nariz, garganta e pulmões) e é causada por um vírus chamado Influenza. Não existe remédio para curá-la, mas sim para aliviar seus sintomas. Se não houver complicações, tende a passar sozinha.
Sintomas: febre alta, dores musculares e articulares, dores de cabeça e inflamação dos olhos.
Prevenção: a melhor prevenção contra a gripe é tomar a vacina todos os anos, pois o vírus é mutante. Também é possível preveni-la melhorando as defesas do corpo através do aquecimento com agasalhos leves e da boa alimentação. Por ser uma doença muito contagiosa, deve-se evitar a permanência em ambientes fechados.
 
RESFRIADO: infecção leve das vias aéreas superiores (nariz e garganta). Não existe remédio para curá-lo, mas apenas para amenizar os sintomas. Se não houver complicação, tende a passar sozinho.
Sintomas: coriza, espirros e febre baixa.
Prevenção: evitar o frio e as bebidas geladas, não permanecer em ambientes fechados, não compartilhar talheres.
 
 
RINITE: inflamação não contagiosa das mucosas do nariz, que aparece de forma recorrente e atinge cerca de 30% da população. Quase sempre é causada por alergias ou por reações à fumaça e outros agentes ambientais.
Sintomas: nariz escorrendo, coceira nos olhos, no nariz e na boca, espirros e às vezes um pouco de febre.
Prevenção: evitar permanecer por muito tempo em locais fechados, não fumar, não ficar perto de lugares recém-pintados, ficar longe do mofo e, em caso de repetição freqüente, procurar algum tratamento preventivo prescrito pelo médico otorrinolaringologista.
 
SINUSITE: inflamação não-contagiosa da parte interna das “maçãs” da face, e que, em geral, aparece de forma recorrente.
Sintomas: nariz congestionado, dor de cabeça, febre, tontura e mal estar.
Prevenção: evitar o contato com os causadores de alergias. Também é preciso tratar de sintomas, como a coriza, quando ainda estão na sua fase inicial.
 
 
 

Crédito:Fatima Nazareth

Autor:Andréa Alves

Fonte:Amaradei Comunicação