Rio de Janeiro, 04 de Dezembro de 2021

Chegada do frio aumenta incidência de problemas de pele

Chegada do frio aumenta incidência de problemas de pele
A queda da temperatura traz alguns problemas dermatológicos, como alergia e infecção da pele. Nesta época, os banhos ficam mais demorados e quentes e a ingestão de líquidos é menor. Com isso, a pele fica com pouca camada de gordura e menos hidratada, o que diminui a sua proteção.
 
A pele do rosto, por ficar exposta, é a parte do corpo mais atingida pela ação do vento frio, da poluição e da baixa umidade relativa do ar. Ela sofre algumas alterações decorrentes dos agentes externos ficando mais ressecada, perdendo oleosidade e o brilho. A camada de proteção natural da pele é removida, modificando seu pH, por causa dos banhos quentes e da ação de contato dos tecidos sintéticos ou a da lã.
 
Quem sofre ainda mais com a ação do frio são as crianças, os idosos e as pessoas chamadas atópicas – que apresentam rinites, bronquites ou dermatites. As crianças porque ainda têm pouca produção sebácea (baixa oleosidade); os idosos porque já deixaram de produzir esta substância em índices necessários; e os atópicos, por problemas genéticos que os levam a diminuir a produção de oleosidade.
 
Entre as doenças de inverno estão as dermatites de contato e alérgicas, eczemas de diferentes graus, urticária ao frio, eritema pérnio (ligado à má circulação sangüínea) e psoríase (placas avermelhadas com escamas grossas e brancas).
 
 Com a pele ressecada, as pessoas ficam mais sujeitas a apresentar irritação, alergia e infecção dermatológica. Segundo a dermatologista da Unifesp Edileia Bagatin, nesta época o efeito alérgico é ainda maior. “Se uma substância causaria problemas à pele de alguém, no inverno essa probabilidade é ainda maior.”.
 
 Além do clima, existem fatores que contribuem para a incidência de problemas de pele. Entre eles estão sedentarismo, consumo de álcool, cigarro, presença de fungos, desnutrição e má circulação sangüínea. Nesse período mais frio, a procura por tratamentos corporais aumenta em 50% nos hospitais, consultórios de dermatologistas e clínicas de estética.
 
Precauções
 
De acordo com Edileia, algumas precauções devem ser tomadas com a chegada do frio. “É preciso diminuir o tempo do banho e não usar água muito quente, passar hidratante e filtro solar diariamente, dar preferência para sabonetes líquidos ou neutros e beber, no mínimo, 1 litro e meio de água por dia”.
 
Muitos especialistas dizem que o período de inverno é o mais adequado para se fazer tratamentos estéticos dermatológicos. A utilização do filtro solar nesse período também faz parte da prática desses tratamentos. Apesar do frio, os raios solares continuam agindo e provocando danos à pele.
 
 
 
 

Crédito:Anna Beth

Autor:Ricardo Viveiros

Fonte:Universidade Federal de São Paulo – Unifesp