Rio de Janeiro, 25 de Maio de 2022

Tristeza

Nesta última semana, ouvi por diversas vezes a palavra tristeza então,
pensei que meus leitores desta coluna também gostariam de ouvir alguma
palavra sobre este sentimento. Tomei a liberdade de, hoje, seguir um rumo
diferente do nosso habitual.

 
Para começar gostaria de citar um trecho de um poema de Vinícius de Moraes,
penso que ele foi, é e será um poeta que consegue falar de tristeza e amor,
e claro com muita propriedade.

 
Vamos a ele então:

Tristeza e Solidão

Ela não sabe
Quanta tristeza cabe numa solidão
Eu sei que ela não pensa
Quanto a indiferença dói no coração
Se ela soubesse
O que acontece quando estou triste assim...

A tristeza é um sentimento (desde que não seja patológica) importante, ajuda
na elaboração de sofrimentos e perdas.

Como é um sentimento incompreensível todas as esferas da ciência tentam
decifrá-la. Antigamente era apenas a filosofia que ousava, hoje, até mesmo
os neurocientistas estão fazendo estudos sobre a tristeza. Posso citar um
importante cientista português Dr. Antonio Damisio. Por não se satisfazer
com explicações filosóficas ele parte para experimentos científicos e chega
a conclusão que nós quando em estado de tristeza desativamos determinadas
zonas cerebrais, a saber, córtice pré-frontal, hipotálamo e o tronco
cerebral.  Esta desativação produz uma mudança global no estado do
organismo.(Sem dúvida é só lembrarmos de nossas noites mal dormidas por
causa de uma perda importante). Ele conseguiu mapear nossas químicas
cerebrais. Grande avanço para a medicina! A tristeza já passou por vários
estudos dentro da psicologia, sociologia, psiquiatria etc. Eu
particularmente acho muito bom, tomara que mais e mais pessoas tragam sua
compreensão e contribuição para tal sentimento.

Uma coisa muito importante é sabermos diferenciar a tristeza de uma
depressão. Por exemplo, quando perdemos alguém querido é normal passar pelo
luto que envolve a perda então, choramos, perdemos o apetite, o sono e
ficamos chorosas, desesperançosas, etc. Só que estes sintomas com o tempo
vão ficando mais amenos (veja não estou falando que esquecemos
definitivamente uma pessoa querida), pouco a pouco choramos menos, passamos
a dormir melhor, etc. Enfim, vamos nos recuperando, nos recompondo. Agora,
se passado um tempo não nos recuperamos e a intensidade dos sintomas agrava
e passa a prejudicar nossas vidas então podemos estar com depressão (veja
matéria sobre depressão nesta mesma seção).

Eu diria que a tristeza é um sentimento que abala nossa "alma", causando
prantos, melancolias, nostalgias, amargura, solidão, etc. Muitas pessoas
costumam fazer da tristeza sua amiga, companheira para toda vida, o que vale
lembrar que muitas pessoas permanecem na tristeza por gostarem dela.
Assustei?

É verdade, observe quantas pessoas poderiam pelo menos amenizá-las se
"ouvissem", "olhassem" ou "sentissem" o mundo com outros olhos. Existe o
tempo da tristeza, mas existe o tempo da alegria também! Às vezes precisamos
trocar as lentes de nossos óculos para vermos melhor. A tristeza não pode
ser eterna!

Muitas vezes escondemos nossas tristezas, por vergonha ou acanhamento ou até
porque achamos que não teremos quem queira nos ouvir. Não é verdade, sempre
temos alguém para compartilhar nossos sentimentos, a não ser que você seja
tão egoísta que queira guardar só para si! Egoísta sim, pois ao falarmos de
nossas tristezas damos liberdade de outras pessoas falarem das delas e
perceberem que esse sentimento faz parte da vida.

Então, denuncie sua tristeza, talvez esse sim seja o primeiro passo para
tirá-la de dentro de seu coração. Fale sobre ela, chore, pense, recorde,
analise os porquês, peça ajuda, explique, escute, mas não alimente a
tristeza.

Não adormeça em sua tristeza
confie
Movimente-se
Mude se necessário
Liberte-se
Aproveite o instante (ele é único)
De passe livre ao amor a esperança
Avante.

Para terminar, pensei em citar um poeta que eu particularmente adoro. Deixo
então um poema que é símbolo de minha esperança. Raul Seixas:

Tente outra vez

Veja
Não diga que a canção está perdida
Tenha fé em deus tenha fé na vida
Tente outra vez
beba
Pois a água viva ainda está na fonte
Você tem dois pés para cruzar a ponte
Nada acabou
tente
Levante sua mão sedenta e recomece a andar
Não pense que a cabeça agüenta se você parar
Há uma voz que canta uma voz que dança
Há uma voz que gira
Bailando no ar
queira
Basta ser sincero e desejar profundo
Você será capaz de sacudir o mundo
Tente outra vez tente Não diga que a vitória está perdida
Se é de batalhas que se vive a vida
Tente outra vez!

Não é lindo? Então, vamos tentar?

 

 

 


Crédito:Walnei Arenque

Autor:Walnei Arenque

Fonte:Universo da Mulher