Rio de Janeiro, 06 de Dezembro de 2021

O Bissexual

O Bissexual
O bissexual se escora num enigma tão complexo quanto a escolha do objeto sexual e de desejo, da mesma ordem de por quem vamos nos apaixonar, sentir ódio, prazer ou desprazer. Todos somos virtualmente portadores de características biológicas masculinas e femininas e estamos sujeitos às ordens emanadas do organismo dito físico ou das entranhas do corpo ou dos caprichos biológicos se sobreporem à censura psíquica. Um impulso que o empurra para agir, buscando a satisfação e a descarga de energia; caso contrário, a frustração se instala.       

O bissexual tem como objeto sexual o homem e a mulher, usufruindo da alternância de papéis dentro da relação com os dois sexos. O que pode dificultar o processo que enfrentamos ao longo de nossa existência: descobrir quem somos para aceitarmo-nos. Bem retratado por Pepeu Gomes em “ser um homem feminino não fere o meu lado masculino; se Deus é menina e menino, sou masculino e feminino!”.

Diametralmente oposto ao desejo do homossexual direcionado a um objeto. Numa opção clara, inequívoca e insofismável. Não se registram deserções à causa enquanto o bissexual no trânsito do orgasmo masculino e feminino não consegue tirar a máscara do rosto. Para que o vejamos como ele realmente é ou se se trata de uma exigência descabida para tirá-lo do armário.

A sexualidade não deve ser fonte de sofrimento e se transformar num imbróglio existencial. Em busca de novos valores, realizações e fantasias para escapar de tradições e costumes a que estamos sujeitos, os bissexuais levam a vantagem de não se identificarem e se exporem aos preconceitos e constrangimentos que os homossexuais enfrentam. Mantendo as aparências enquanto ganham tempo, face às cobranças do meio em que circulam. Para serem aceitos sem reservas, livres da pecha de indefinidos ou enrustidos. A salvo do fuzilamento da sociedade que gera culpa pela diferença entre o que são e o que se espera deles.

Quando nos pomos a tirar dúvidas da bissexualidade, o enigma nela contido dá algumas pistas a partir da homossexualidade. O conflito perante a porção homossexual divide os bissexuais em dois grupos, na dependência da atração ou da prática predominante ser de caráter hetero ou gay. Quanto aos primeiros, não gostam de se autoproclamar; visto que a porção heterossexual é avalizada pela sociedade, para que queimar seu filme com escapulidas indignas de nota? Ao contrário dos segundos, que recorrem à bissexualidade numa tentativa de se legitimarem, por não conseguirem assumir a homossexualidade em seu estatuto social. Ambas as situações têm em comum o desconhecimento da esposa.

Daí a bissexualidade ser uma derivação do indivíduo homossexual para transitar na sociedade sem se fazer notar, ao constituir família para lhe garantir segurança em nível profissional e social. Retribui o lar, doce lar com uma sexualidade satisfatória, sua esposa corre até o risco de se sentir feliz. Se a identidade sexual secreta um dia se revelar, o casamento desmorona. Contudo, ressentimentos podem dar lugar à viuvez de uma sensibilidade improvável de se encontrar num hetero.

Você é gay, hetero ou então está mentindo, afirmam alguns homossexuais que se irritam com a ambivalência de supostos bissexuais que se mostram muito mais excitados diante de outros homens. Decretam: homens que dizem gostar dos dois sexos na verdade são homossexuais não assumidos. Claro que precisaríamos de um outro Alfred Kinsey para fazer uma pesquisa e comprovar a tese. Suas estatísticas apenas constataram experiências pré-sexuais durante a puberdade, quando se descobre sensações de prazer sexual, como corpos tocados de modo libidinoso, excitação diante da nudez e masturbação induzida pelo pensamento erótico livre da pressão do padrão de comportamento de acordo com o gênero a que pertencem.

O amor pode ser comparado a uma Olimpíada, em que na medalha de ouro se almeja o orgasmo afetivo e sexual. Minimizando, se deseja a amada para si. Menos, menos, não quer perdê-la para outro. A exigir convergência e não dissociação. O bissexual é o eu dividido que não se encontrou. Procura prazer em ambas as relações, com ou sem troca afetiva. Pode até morrer assim, mas na medida em que se desfazem os véus da hipocrisia... são tantos que se revelam!

Duvida-se de a bissexualidade ser uma prática sexual distinta e estável. Representa um quebra-cabeça que a psicanálise ainda não teve culhões para desvendar. Por exigir prática e não teoria, para ganhar maior visibilidade e compreensão científica quanto aos fatores culturais, sociais, psíquicos e genéticos que enjaulam a bissexualidade.

Eu acredito em gnomo, o deboche típico de heterossexual, com aquele olhar de desconfiança que mata o bissexual. Ao não respeitar uma sexualidade em rota de colisão com a hierarquia sexual ditada pela sociedade. Fazer amor com dois sexos só pode ser para se dar bem. Inveja pura do pênis do bissexual ao entender seu caráter ambíguo como poligamia que cheira a orgia. Enquanto o hetero é monossexual condenado à monogamia. Quando o amor é o objetivo afetivo do ser  humano. Proporciona uma segurança incrível amar alguém e ser amado de volta. Seja qual for o sexo.

 

 

 

Crédito:Antonio Carlos Gaio

Autor:Antonio Carlos Gaio

Fonte:Universo da Mulher