Rio de Janeiro, 19 de Dezembro de 2018

Sem vergonha de colocar o umbigo à mostra

A plástica não pode mudar a estrutura total do umbigo, mas pode melhorá-lo quando há deformidades 

Mesmo sem apresentar gordura localizada na barriga, algumas mulheres têm vergonha de desfilar o umbigo na praia ou em roupas que o deixam em evidência. Seja devido a uma hérnia umbilical, a obesidade no passado ou por motivos meramente estéticos - umbigos fundos ou largos  - muitas buscam na cirurgia plástica - a onfaloplastia - o fim das imperfeições nesta parte do corpo.

 

Casos em que a cirurgia plástica de umbigo pode ser indicada:

 

Ø  Ex-gestantes;

Ø  Ex-obesos ou pessoas que emagreceram muitos quilos;

Ø  Para quem tem hérnia umbilical;

Ø  Para quem já fez plástica abdominal e quer refazer o umbigo;

Ø  Quando há deformidade ou projeção do umbigo ou há cicatrizes, estrias ou verrugas na região umbilical;

Ø  Para estreitar o umbigo, quando a pele em volta da região é esticada.

Hérnia umbilical

As estimativas sobre o problema apontam que a maioria das deformidades no umbigo são causadas pela hérnia. Mais freqüentes nas mulheres devido à distensão do abdome na gestação, a hérnia paraumbilical é a saída da gordura por um orifício ou área de fragilidade da parede abdominal, que provoca a deformação do umbigo. “A região umbilical fica dura e dolorosa e a hérnia pode aumentar gradativamente de tamanho ou formar tumores pendulares. Uma das conseqüências é a perda da sensibilidade na região”, explica o cirurgião plástico Ruben Penteado, diretor do Centro de Medicina Integrada.

A hérnia umbilical não costuma provocar outros problemas de saúde, mas o intestino pode ficar preso dentro do anel da hérnia, se esta for muito acentuada. “Quando a hérnia umbilical é muito grande, recomenda-se primeiro corrigi-la e depois fazer a cirurgia estética. A cirurgia é reparadora e estética, pois o cirurgião  coloca para dentro o conteúdo saliente da cavidade abdominal e fecha com pontos a parede da musculatura por onde sai a gordura que forma a hérnia, melhorando assim a estética do umbigo”, explica Ruben Penteado, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Quando o problema é apenas estético

De acordo com Ruben Penteado, a cirurgia para corrigir o umbigo raramente é realizada em casos unicamente estéticos, sem causas pré-diagnosticadas. "A plástica não pode mudar a estrutura total do umbigo, mas pode melhorá-lo quando há deformidades", explica o cirurgião.

Indicada também para quem ficou com o umbigo fundo após a gestação ou depois de perder muitos quilos, a cirurgia pode ser feita em conjunto com uma abdominoplastia - quando o acúmulo de pele é grande - ou isoladamente, quando há pouca sobra de pele. "Nestes casos, a técnica utilizada pode reduzir o comprimento do umbigo para aproximá-lo ao máximo da musculatura", diz o médico.

“Uma das preocupações estéticas femininas a respeito desta cirurgia envolve a cicatriz. Ela costuma ser maior na cirurgia estética de umbigo de pequeno porte. Os pontos são feitos junto à musculatura, por isso, a cicatriz geralmente é em círculo, em volta do umbigo. Mas, dependendo do caso e da marcação prévia no local, é possível que a cicatriz fique escondida dentro do cálice umbilical", afirma Ruben Penteado.

SERVIÇO:

Centro de Medicina Integrada
Endereço: Rua Tuim, 929
Moema
São Paulo-SP
Tel: (11) 5535 0830

www.medintegrada.com.br

Crédito:Cris Padilha

Autor:Márcia Wirth

Fonte:Universo da Mulher