Rio de Janeiro, 04 de Abril de 2020

Obesidade x Timidez

Cada problema físico que acomete as pessoas em seu dia a dia encontra na personalidade dos indivíduos, nos seus hábitos e escolha profissional seu respaldo. Isso fica muito claro, quando estudamos certas profissões e as doenças que normalmente podem acometer aquele profissional ao longo de sua carreira.
 
Um exemplo disso são as tendinites que atacam aqueles que trabalham horas a fio diante de seus computadores, de coluna para os que trabalham sentados, distúrbios do sono para os que trabalham a noite e tantas outras conhecidas por todos. Além disso, a escolha profissional, ou mesmo a forma como nos vestimos, têm muito a ver com nossa personalidade e como nos relacionamos com as pessoas e com a gente mesmo.
 
Nosso corpo, revelado através de suas forma, fala mais de nós do que imaginamos. A postura, a dimensão ou mesmo as marcas que temos em nosso corpo contam nossa estória, tanto das conquistas como dos desafetos. Os desafetos são as chaves de entrada para entendermos porque o corpo, com o passar do tempo, acumula grandes resíduos dos sofrimentos vividos nas relações inter-pessoais, escolhas profissionais, grandes perdas afetivas e entesas frustrações.
 
Atrás de um corpo comprometido pela gordura está um ser humano vaidoso e belo que, em algum momento, abriu mão dessas qualidades, por não se sentir seguro para exercê-las.
 
A gordura , como ¨capa protetora¨, funciona muito bem quando a necessidade é afastar afetivamente as pessoas ou evitar os grandes envolvimentos, é a tenda que protege do frio, da chuva e dos sofrimentos.
 
Sabemos que essa tenda tem seus furos, que não cumpre totalmente seu papel, que não evita que desejemos estar fora dela vez ou outra, que incomoda ficar preso nela o tempo todo e que em um momento ou outro vamos desejar mais do que tudo sair e nos aventurar, correr os riscos, nos lançar.
 
Normalmente, não temos muito claro, quando começamos a construir nossa tenda. Quando começamos a ter medo, mas sabemos quanto o exercício de nos conhecer e saber ouvir e viver nossas necessidades é tímido, minguado e sempre submetido, de alguma maneira, ao que achamos que os outros esperam de nós.
 
A timidez não camufla apenas o que somos, mas como nos portamos frente às pessoas, conquistas e até objetivos. Todas as pessoas que se sentem inadequadas em algum aspecto se escondem de alguma maneira, inibem sentimentos e negam necessidades que creditam não poder satisfazer.
 
Sabemos que esse quadro não tem as cores tão claras assim para quem o pinta. Nenhum indivíduo constrói essa paisagem sabendo com riqueza de detalhes tudo que esta envolvido em sua obra, pois não é com qualquer intenção que essas cores são escolhidas, somente foi utilizado o que estava disponível.
 
A obesidade fecha várias portas e a timidez as guarda como uma grande sentinela, sempre atenta e eficaz. É sabido que depois de algum tempo que mantemos as portas bem fechadas, as lembranças de nossas necessidades vão se esvaindo e corremos o risco de esquecê-las.
 
Olhar para o que somos, reconhecer e respeitar nossas necessidades é um grande começo para quem já se cansou do peso da ¨tenda protetora¨ e pretende se arriscar nessa missão nada impossível que é ser FELIZ.
 
 
Silvana Martani – Psicóloga e especialista em obesidade da Clínica de Endocrinologia da Beneficência Portuguesa.
  

Crédito:Silvana Martani

Autor:Silvana Martani

Fonte:Matéria Prima