Rio de Janeiro, 21 de Outubro de 2017

O Poder do Chocolate

O Poder do Chocolate
Vamos esquecer que ele engorda, que dá espinha e que afeta o fígado, chocolate é chocolate. Chocolate não é doce é chocolate. Chocolate não alimenta o corpo, alimenta a alma, o amor ou a falta dele.
 
 
Todo mundo gosta dele e quem não gosta parece meio estranho ou ¨traumatizado¨. Toda criança adora chocolate, precisa dele quando brinca, quando comemora, quando adoece ou fica triste.
 
 
Parece que todo chocolate foi feito para as crianças e as mulheres, talvez porque as mulheres são meio crianças a vida toda, são sensíveis como eles, temperamentais; nunca se sabe o que estão sentido ou pensando, falam demais ou não falam, ouvem tudo, olham tudo. Não que os homens não gostem ou não comam chocolate, mas é diferente com os homens, eles tem uma relação diferente com os afetos, com as palavras, com o mundo, são HOMENS!
 
 
 
Deixando de lado a parte química das reações e o chocolate faz uma grande reação, ele é uns dos grandes amigos do prazer. Prazer único, disponível, fácil de achar, de adquirir de gozar. Serve para todas as ocasiões e finalidades: se está triste ou alegre, saudável ou doente, acompanhado ou principalmente sozinho, tranqüilo ou fundamentalmente ansioso, com fome, sem fome, para dar de presente ou quando não se sabe o que dar de presente, para fazer carinho ou pedir desculpas, para acalmar o choro ou fazer chorar.
 
A Páscoa é o apogeu deste amigo de todas as horas, tanto que lá no início de tudo os ovos não eram de chocolate e sim pintados, mas, como não fizeram sucesso pelo resto do mundo, viraram de chocolate, eu acho.
 
Feito de todos os jeitos, todos os recheios e formatos, cada personalidade escolhe seu chocolate: ao leite para as crianças, meio amargo para os meio sérios, amargo para os carrancudos, com licor para os também adoram bebidas e disfarçam, com cerejas para os elegantes, branco para os que não assumem que gostam dele, com pimenta para quem gosta de comida mexicana e recheados, trufados e modificados para todos.
Claro que isso é uma brincadeira, mas se você prestar atenção...
 
Existem poucos alimentos que se destacam tanto pelo aroma. Em qualquer parte do mundo, se você estiver andando pela rua, por mais perdido que se sinta por estar longe de casa o aroma do chocolate é inconfundível. Uma vez assisti a um filme onde a dona de uma loja de chocolate resolvia os problemas de seus clientes com receitas próprias para cada aflição, tornando toda a vida  dos habitantes do lugar mais feliz. Parece que certos alimentos têm essa exata função de melhorar a vida das pessoas, de transmitir mensagens, de traduzir desejos, de aplacar sofrimentos...
 
 
Nossas lembranças estão recheadas de aromas, carinhos e momentos onde certos alimentos foram  imortalizados para sempre. Nada muito especial, mas carregados da grandeza de quem os confeccionava, de tradições e significados próprios daquelas famílias ou lugares. Coisas que vamos repetir para nossos filhos e netos, com a sabedoria de quem aprendeu vivendo a arte de ser feliz.
 
 
 
FELIZ PASCOA!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
 
 
 
*Silvana Martani é psicóloga da Clínica de Endocrinologia da Beneficência Portuguesa de São Paulo - CRP06/16669.
Organizadora e autora do Livro – Uma Viagem pela Puberdade e Adolescência
 
 
 
PERFIL:
Formação:
Instituto Unificado Paulista / Faculdade Objetivo 1978 - 1982.
Atuação:
Psicóloga da Clínica de endocrinologia do Hospital Real Beneficência Portuguesa; desde 1984.
Extra-curricular:
Palestras ministradas aos pacientes obesos, com distúrbios glandulares e diabetes, desde 1989.
Aulas Ministradas aos residentes da clínica de endocrinologia do Hospital Beneficência Portuguesa.
 
 
 
 
 

Crédito:Eleonora Chagas

Autor:Silvana Martani

Fonte:Matéria Primma