Rio de Janeiro, 20 de Julho de 2019

Terapia Craniosacral

Terapia manual corrige causas de disfunções sensoriais, motoras e neurológicas

Terapia Craniosacral ativa os mecanismos naturais de cura do organismo; técnica diminui sintomas e pode evitar doenças como fibromialgia, escoliose, autismo, entre outras

 

 

As terapias manuais para o tratamento de diversas doenças e disfunções do organismo estão ganhando espaço nos consultórios. Uma delas, a Terapia Craniosacral, é uma das mais eficazes na medicina e se mostra como uma nova técnica manual que auxilia o diagnóstico de desequilíbrios e disfunções do corpo, aliviando o mal-estar e as dores causadas por diversas doenças entre elas a fibromialgia, a escoliose e o autismo, explica o fisioterapeuta Felipe Augusto Silva, certificado em Terapia Craniossacral pelo Upledger Institute, nos Estados Unidos. 

O tratamento foi criado pelo médico e pesquisador americano John Upledger há mais de trinta anos e já apresenta resultados significativos. Segundo Felipe, professor do curso de Pós- Graduação da Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP), a terapia corrige desequilíbrios no sistema craniossacral, que podem ser a causa de disfunções sensoriais, motoras e neurológicas. O sistema craniosacral é composto pelos ossos cranianos, meninges (membranas que envolvem o cérebro), sacro e pelo líquido cefalorraquidiano, que circula dentro das meninges.  

“Este liquido vai desde a cabeça e se espalha por todo o corpo. Qualquer alteração nesse mecanismo altera todo o funcionamento hormonal e neurotransmissor do sistema nervoso. Muitas são as doenças associadas ao sistema nervoso causadas pelas disfunções e alterações existentes no sistema craniosacral. Muitos problemas do sistema nervoso e emocional poderão ser melhorados significativamente ou até mesmo eliminados com esta terapia”, diz. 

A terapia 

Felipe explica que, por meio de toques leves nas regiões do crânio, sacro e cóccix, o terapeuta procura pontos que indicariam restrições e desequilíbrio no sistema craniosacral. Identificado o problema, o terapeuta aplica toques em partes específicas do corpo, fortalecendo os mecanismos de autocorreção do organismo.  

O método age também aumentando a resistência do corpo e eliminando gradativamente os efeitos negativos do stress sobre o sistema nervoso central. Além disso, pode ser aplicado simultaneamente a outros métodos terapêuticos. 

Quando é indicada 

A terapia é indicada para aliviar doenças, dores e algumas disfunções como dificuldades de coordenação motora, lesões por traumatismo craniano, fibromialgia, escoliose, disfunções do sistema nervoso central e até mesmo dificuldades de aprendizagem. 

Mas é preciso estar atento e certificar-se de que o terapeuta está habilitado para aplicar as técnicas da terapia craniosacral. “A técnica é muito delicada e exige que o terapeuta conheça bem os pontos a serem trabalhos. Caso contrário, o resultado pode não ser o esperado”, finaliza Felipe. 

FELIPE AUGUSTO é professor do curso de pós-graduação em Fisioterapia da Faculdade de Medicina de Rio Preto (FAMERP), certificado em Terapia Craniosacral pelo UPLEDGER INSTITUTE – USA, com aprimoramento profissional na URBAN ATHETE, Toronto, no Canadá.

 

Crédito:Cris Padilha

Autor:Márcio Alves

Fonte:Universo da Mulher