Rio de Janeiro, 02 de Abril de 2020

Deixando de ser vítima

LIBERANDO O PARADIGMA DE VÍTIMA
por Jennifer Hoffman

Todos têm uma história de vítima, uma memória de uma situação em que eles se sentiram impotentes, fora do controle ou desamparados.
 
Os detalhes da história de vítima são muito reais e servem como um lembrete de que apesar de nossos melhores esforços, nós podemos superar através de pessoas ou eventos e a nossa vida pode mudar em um instante.
 
Não importa quando a história de vítima se iniciou, cada detalhe é gravado em nossa mente como um lembrete de que nós somos aqueles que nos afastamos do desastre. Mas esta não é a nossa intenção de nossas experiências de vítima.
 
Todos nós passamos por diferentes aspectos de ser uma vítima em nossa vida, começando com a infância quando somos vulneráveis e dependentes, à idade adulta onde tentamos conquistar os nossos sonhos em face do que possam parecer desafios insuperáveis.
 
Nós somos defrontados com a escolha de sermos uma vítima ou superarmos as nossas limitações percebidas ao nos tornarmos um vencedor e entrarmos em nosso poder. O paradigma de vítima é aquele que toda a humanidade deve - e pode - superar e liberá-lo é parte de nossa jornada espiritual individual e coletiva.
 
Nossa história de vítima pode começar na infância quando nos lembramos dos incidentes ao sermos rejeitados por outros, nossos pais foram emocional ou fisicamente indisponíveis ou as nossas necessidades não foram satisfeitas de algum modo.
 
Ou talvez algo acontecera, tal como uma doença, abuso, uma vida difícil no lar, a morte de nossos pais, irmãos ou irmãs que criaram um trauma e começaram a criar o paradigma de vítima em nossa vida.
 
Sem compreendê-lo, este paradigma se torna o nosso padrão de vida e determina o curso que a nossa jornada tomará.
 
Então atraímos pessoas e situações que se relacionam e até intensificam o nosso padrão de vítima porque esta é a energia com a qual vibramos.
 
Quando imaginamos por que as pessoas não são respeitosas, não nos honram ou parecem sair do seu caminho para nos bloquear em cada ocasião, ou por que a sua vida é difícil, nós ficamos infelizes, desafortunados ou insatisfeitos, e a resposta está em nosso paradigma de vítima.
 
Embora possamos nos sentir muito solitários com a nossa história de vítima, cada pessoa tem uma.
 
Até a pessoa mais realizada abriga um medo secreto de que ela se tornará vítima de algum incidente passado esquecido, de um recém-chegado que a ofuscará ou que será defrontada com um conflito que revelará uma fragilidade.
 
Embora possamos não nos chamar de vítima, nossos pensamentos, crenças e ações contam outra história.
 
Uma vítima tem muitos problemas, desapontamentos, expectativas não satisfeitas e sonhos não realizados.
 
Elas freqüentemente pensam que os outros parecem ser mais afortunados, dotados, abençoados ou conectados do que elas.
 
Uma vítima compartilha as suas histórias de vítima com cada um, porque elas querem a simpatia e sabem que elas não estão sozinhas em sua infelicidade.
 
Elas podem ter recebido o "treinamento de vítima" de sua família, que pode ter padrões geracionais de crenças de vítima. E elas se tornam uma vítima da sua própria história de vítima.
 
Então elas atraem as vítimas e aqueles que se aproveitam delas porque quando nós somos uma vítima, atraímos tiranos, pessoas que precisam controlar, manipular ou dominar outros para se sentirem poderosas.
 
Quando estamos operando do paradigma de vítima, nós enviamos uma mensagem aos outros de que somos impotentes e que eles são mais poderosos do que nós.
 
Quando precisamos de ajuda, nós podemos encontrar alguém que responde a este chamado, mas se dermos o nosso poder a ela, em retorno pela sua ajuda, nós estamos nos impulsionando mais ainda para o paradigma de vítima.
 
Então o nosso "salvador e libertador" pode se tornar a pessoa que nos controla, assim o salvador se torna um tirano e saímos de um papel de vítima para outro.
 
Como podemos liberar o paradigma de vítima, algo que muitos Trabalhadores da Luz vieram fazer?
 
Primeiro devemos compreender a razão para o paradigma de vítima e então fazermos a nossa escolha, ainda que possamos estar em um ciclo de vítima, como estamos escolhendo.
 
Nossa jornada espiritual pode ser comparada à cerimônia Nativa Americana de recuperação da alma, onde um xamã leva o buscador a uma jornada para recapturar os fragmentos da alma que foram perdidos com os traumas da vida passada.
 
Em cada existência nos são fornecidas oportunidades para curar os antigos traumas que estão enterrados dentro da memória de nossa alma e no DNA emocional e para nos trazer novamente à integridade espiritual e emocional.
 
Estas situações nos são reveladas nos diferentes modos como nos sentimos como uma vítima, os vários treinamentos na situação de "vítima" que nos são oferecidos, por aqueles que concordam em criar oportunidades de vítima para nós.
 
A jornada para a integridade começa com a nossa habilidade de encontrar o nosso centro espiritual, onde podemos começar a nos reconectar com o nosso poder e começarmos a jornada de reconexão com o nosso poder.
 
Esta é também a história da jornada da humanidade desde o seu início até agora, o momento em que estamos mudando para as novas vibrações de ser.
 
Como uma família humana, nós temos a oportunidade de sair do paradigma de vítima e nos lembrarmos de nossa conexão com a Fonte, com a Divindade e com o nosso poder.
 
Nossas histórias de vítima estão baseadas de fato, nesta existência e nas anteriores.

Há situações onde as pessoas abusaram de nós, aproveitaram-se de nós, ou não fizeram o que acreditávamos que deveriam ter feito.
 
Mas dentro de cada uma destas histórias de vítima, há uma lição cármica, um contrato da alma, e um ponto de partida para a nossa jornada ao perdão, à transformação e à conclusão.
 
Nós temos uma escolha de permanecermos uma vítima e continuarmos a sofrer na impotência ou reunirmos os fragmentos feridos de nossa alma e nos tornarmos vitoriosos, mestres espirituais que compreendem a cena maior e podem escolher a cura e não a dor, o momento presente e não o passado e uma vida de abundância e de satisfação e não a carência e o sofrimento.
 
A todos nós está sendo dada a oportunidade de reconhecer o nosso status de vítima e de escolher outra opção, de criarmos um novo paradigma do mundo, onde não haja vítimas e liberarmos para sempre este paradigma da energia da Terra.
 
 
 

Tradução: Regina Drumond
Fonte: http://www.urielheals.com
 

 
 
 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Regina Drumond

Fonte:www.sintonisaintgermain.com.br