Rio de Janeiro, 28 de Maio de 2017

Manaus, recorde de distância

Manaus foi a capital mais distante que uma seleção jogou de todas as copas do mundo até hoje.
 
 
 Na Copa de 1994, nos Estados Unidos, o tamanho do país transformou as pequenas distâncias entre as cidades da Europa em viagens continentais.
 
 
A Itália precisou viajar 3.930km de Nova Jersey, onde havia disputado a semifinal, até Los Angeles para decidir o título com o Brasil – mesmo trajeto feito pela Bulgária para a disputa do terceiro lugar contra a Suécia.
 
É a maior registrada até hoje.
 
Manaus mudou a marca.
Entre ela e nove das 11 cidades escolhidas, a distância foi recorde.
Apenas para Brasília e Cuiabá é menor.
 
 
Além das viagens com origem ou destino em Manaus, os trajetos entre Porto Alegre e Natal ou Fortaleza também ultrapassam os 4 mil quilômetros.
 
Diferença
 
Na Copa do Mundo de 1950, quando foram utilizados apenas seis estádios, o Uruguai foi beneficiado pela desistência de duas seleções e jogou apenas quatro jogos.
 
Na ocasião, Estados Unidos e Chile sofreram com as viagens para Recife desde Belo Horizonte e Rio.
 
 
De Manaus para
 
Belo Horizonte – 3.951km
Brasília – 3.490km
Cuiabá – 2.357km
Curitiba – 4.036km
Fortaleza – 5.763km
Natal – 5.985km
Porto Alegre – 4.563km
Recife – 5.698km
Rio de Janeiro – 4.374km
Salvador – 5.009km
São Paulo – 3.971km

Manaus, sede da Copa de 2014

Manaus é a metrópole da Amazônia uma das cidades favoritas para ser uma das sub-sedes da Copa de 2014 no Brasil.

A cidade conta, atualmente, com um número de rede hoteleira quase suficiente para as exigências da FIFA, com uma dasa melhores infra-estruturas e urbanização do Norte e destaca-se por estar localizada no centro da Amazônia, pela sua grande economia, população e PIB, por ter uma forte bancada política.

Manaus ofereceu o Estádio Vivaldo Lima para sediar os jogos.

Desafios de Manaus

Manaus passou por muitas mudanças nestes anos e essa foi a maior esperança para a população com a vinda da Copa.

Transporte urbano: Atualmente a cidade vem sofrendo um aumento de transporte “alternativo” irregular e no qual a Prefeitura não demonstra ter uma clara opinião a respeito.  Falta também segurança para o passageiro.  Será necessário ainda capacitar motoristas de ônibus e principalmente os taxistas a falarem ao menos duas línguas.

Transporte aéreo: será necessária a ampliação do aeroporto Internacional Eduardo Gomes dotando de mais terminais de desembarque de passageiros, infra-estrutura de atendimento e oferta de saídas para diversos pontos da cidade.

Transporte fluvial: Ampliação do Porto de Manaus, dotando de estrutura que permita um melhor desembarque de transatlânticos.

Saúde: Construção de novos hospitais gerando uma maior oferta no número de leitos.

Segurança: Apesar de o Governo negar o crescimento da violência na cidade, ele é sentida pelo cidadão comum. E se nada for feito agora, em alguns anos estaremos em uma situação mais crítica. Melhor remuneração, ampliação do quadro, criação de postos policias em pontos estratégicos na cidade seria um começo.

Comunicação: Quem sabe agora possamos ser merecedores de melhores conexões a internet por meio de uma banda larga real por meio de empresas que queiram oferecer qualidade e oferta de valores mais baixos do que praticados hoje.

Capacitação: trabalhadores que lidam diretamente com turistas, como taxistas, hotelaria, restaurantes, hospitais e policiais irão necessitar do conhecimento de outra língua e cursos serão necessários. 

Além dos pontos acima básicos e demonstrados resumidamente, a cidade precisa ainda contar com o aumento da rede hoteleira, restaurantes, áreas de lazer, garantia na demanda de energia, facilitar o acesso nas vias que levam ao estádio e etc.

Uma coisa Manaus já possui pronta: o seu povo valente, trabalhador e acolhedor.

 

Parabéns Manaus!

 

 
 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Thales Soares

Fonte:JB