Rio de Janeiro, 22 de Maio de 2019

Criança também sofre com o intestino preguiçoso

Distúrbio intestinal pode provocar problemas comportamentais

 


 

O estilo de vida moderno, com alimentação baixa em fibras, estresse e sedentarismo, está levando as crianças a enfrentarem dificuldades na hora de ir ao banheiro. Normalmente, considerados passageiros, os casos de constipação intestinal, o famoso intestino preguiçoso, demoram a ser alvo da preocupação dos pais. O resultado é o constante desconforto ao evacuar, que vai evoluindo para dor, gritos e o receio de ir ao banheiro.

 

O cardápio infantil repleto de massas e doce é a principal causa do intestino preguiçoso. “Sem uma alimentação balanceada, o sistema digestivo não tem um bom funcionamento. Assim, as fezes ficam ressecadas e exigem esforço para ser expelidas. A criança começa a temer a ida ao banheiro e começa a prender a evacuação, piorando e postergando o problema”, explica o presidente da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), Dr. Antonio Frederico Magalhães.

 

Também podem ocorrer mudanças no comportamento, queda no rendimento escolar e ansiedade. Pesquisas recentes apontam que crianças com problemas intestinais têm baixa auto-estima e são mais retraídos. Mas, depois de solucionado o problema, os jovens costumam voltar a ter um comportamento normal.

É preciso muita atenção dos pais para resolver o problema, pois não basta contar o número de vezes que a criança senta no vaso. “É necessário observar se as fezes são duras, ressecadas, em forma de bolinha; se ela sente dor ou desconforto ao evacuar e se vai menos de três vezes por semana ao banheiro”, aconselha.

 

“Após serem excluídas outras doenças, é preciso ajustar a alimentação para resolver a situação”, relata. Para isso, pode-se reforçar a utilização de alimentos que ajudem a regular o intestino, como frutas e verduras cruas e iogurtes com probióticos comprovados cientificamente, que interferem na melhora da saúde digestiva. Além de fazer uma boa hidratação com água e sucos de frutas sem coar.

 

Crédito:Cris Padilha

Autor:

Fonte:Laura Lima