Rio de Janeiro, 09 de Abril de 2020

Gestantes que fumam têm mais chances de dar à luz um bebê com deformidades

O maior estudo já realizado sobre os efeitos do fumo durante a gestação revela mais uma razão para as mamães abandonarem de vez o cigarro: fumar meio pacote por dia é o suficiente para colocar em risco a saúde do bebê, aumentando em 29% o risco de dar à luz uma criança com dedos das mãos ou dos pés defeituosos.
 
Publicado na última edição do Jornal da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica, o estudo do doutor Benjamin Chang é assertivo quanto aos riscos que o feto corre mesmo que sua mãe fume relativamente pouco. “Quanto mais a gestante fumar, maiores serão os riscos para o feto. Entre os 6,8 milhões de bebês americanos nascidos entre 2001 e 2002, mais de cinco mil nasceram com algum tipo de anomalia digital”.
 
De acordo com o doutor Marcos Grillo, PhD em Cirurgia Plástica, sempre vale a pena combater o fumo. “Além de todos os males à saúde em geral, muitas pessoas que estão planejando passar por cirurgias plásticas ignoram os riscos que o cigarro oferece. Os fumantes têm doze vezes mais chances de apresentar complicações em procedimentos cirúrgicos em relação aos não-fumantes, por exemplo”.
 
Segundo Grillo, o monóxido de carbono do cigarro reduz a oxigenação da corrente sangüínea, retardando o processo de recuperação no pós-operatório. Além de comprometer o sistema respiratório, o cigarro pode deixar o paciente mais suscetível a infecções, desencadear problemas na cicatrização, favorecer a necrose (apodrecimento) da extremidade da pele descolada durante a cirurgia, ou ainda provocar outras intercorrências referentes à anestesia, trombose e embolias.
 
Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Grillo orienta  seus pacientes a, pelo menos um mês antes do procedimento, suspender o cigarro. “Além de aumentar as chances de haver boa cicatrização, essa medida estimula os pacientes a largarem de vez o vício, já que se conscientizam de que beleza e cigarro se contrapõem”.
 
O médico é taxativo em afirmar que o cigarro rouba a jovialidade da pessoa. “Do ponto de vista da saúde, o fumante apresenta idade superior à sua idade cronológica. Nas mulheres, em particular, há uma considerável redução do tônus muscular, promovendo a flacidez”.

 

Crédito:Heloísa Helena

Autor:Dr. Marcos Grillo

Fonte:Ex-Libris Comunicação Integrada