Rio de Janeiro, 05 de Junho de 2020

Como saber se uma criança enxerga bem?

Quando uma criança nasce, a primeira preocupação dos pais é saber se o filho é perfeito e saudável. Mãos, pés, respiração, coração, audição, visão..."Ufa! Ele é perfeito", pensa a mãe. Mas a missão dos pais está apenas começando. Observar e acompanhar a evolução dessa criança é imprescindível, pois existem problemas que não são fáceis de se detectar: as deficiências  oculares são um deles. 
 
                                                   
 
Mas como os pais devem agir? O primeiro passo é observar o comportamento da criança. "A visão se desenvolve gradualmente, de acordo com o crescimento da criança. Até os 6 meses de idade, é normal que um bebê "entorte" os olhos ocasionalmente para tentar ver algo, depois dessa data a criança não deve mais desviar o olho, sendo esta constatação motivo de alerta e busca para um tratamento o mais precoce possível. Até lá, o sistema motor do olho se desenvolve simultaneamente ao amadurecimento de outras funções como a audição, o tato, a noção de localização no mundo, a coordenação motora, entre outras. E isso leva algum tempo, porque todas elas dependem do desenvolvimento do cérebro e são controladas pelo sistema nervoso central", afirma o oftalmopediatra Dr. Roberto Endo, de São Paulo.
 
                                                        

Logo após os 6 meses, se o desvio efetivamente aparece, pode-se afirmar que a criança tem um estrabismo - doença que ocorre pela quebra do paralelismo dos olhos ou seja, os olhos que se desalinham por diversos motivos - e a criança passa a enxergar duplo, causando um incômodo terrível para sua orientação no espaço. Para compensar este transtorno ou a criança fecha um dos olhos ou se adapta para fazer o mesmo com os dois olhos abertos.
 
"Por causa da imaturidade, o cérebro pode fazer com que um olho passe a não funcionar, fazendo com que a criança passe a usar apenas um dos olhos e essa, é uma condição extremamente confortável para ela, porque assim a visão dupla desaparece. Porém esse processo faz com que o olho que não está sendo utilizado passe a enxergar cada vez menos. E essa condição é gravíssima para o futuro se não ocorrer a providência de tratamento imediato e adequado", afirma Dr. Endo. "Temos que combater esta condição que se chama "ambliopia", visão baixa ou perda da resolução espacial do olho, que hoje, podemos considerar incurável após os 4 anos de idade", completa.
 
                                         
 
Segundo o oftalmologista, praticamente 5% da população mundial é portadora de algum tipo de estrabismo. " É uma estatística irrefutável e um número que não se pode desprezar. É claro que um país subdesenvolvido como o nosso tem outras prioridades, infelizmente ainda morrem brasileiros de sarampo, meningite, mas reduzir o índice de estrabismo também é importante", afirma o doutor. Para ele, a melhor forma de reduzir esses altos índices de estrábicos no país é a observação da criança pelos pais, pediatras e professores. "Essas pessoas passam a maior parte do tempo com as crianças e se observarem bem o comportamento poderão encaminhá-las a tempo a um especialista. Então teoricamente quanto mais cedo o paciente chegar ao consultório e se estabelecer um tratamento, mais rápido o olho que está perdendo a visão vai poder voltar a enxergar perfeitamente", afirma o Dr. Endo.
 
Se tratada a tempo, a criança pode ficar totalmente curada
 
No tratamento do olho amblíope - aquele que se desenvolveu menos - em 99% dos casos só a oclusão resolve, mas para tratar os problemas envolvidos no estrabismo (o assim chamado olho torto) existem outras alternativas. Uma criança que chega até um serviço de oftalmologia no início da doença, pode ser orientada a usar um oclusor (conhecido como tampão). Esse tratamento consiste em tapar o "olho bom" forçando o "olho ruim" a funcionar. "O oclusor deve ser colocado diretamente na pele, para que a criança não fixe com o "olho bom" fazendo com que o "olho ruim" volte a se desenvolver. Se existir qualquer passagem de luz em que permita a criança a tentar enxergar com o olho bom, ela olha através desse orifício, e desta forma a oclusão não funciona", comenta o doutor.
 
Os métodos de tratamento de estrabismo mais conhecidos incluem entre outros, o uso de óculos, colírio, cirurgia, e até a injeção de toxina botulímica no músculo, mas cada caso deve ser analisado individualmente pelo especialista que indicará qual a melhor forma de fazer com que o olho volte a se alinhar. Existem pacientes que apenas com uso do óculos o olho retorna para o lugar, mas outros continuam estrábicos, nesses casos as diversas formas de cirurgia sob anestesia geral são as melhores opções para a cura.
 
 
O que é um oclusor?
 
Popularmente conhecido como tampão, o oclusor funciona como um vedante para os olhos com problemas oftalmológicos, como o estrabismo, por exemplo. A AMP Soluções Terapêuticas criou o Oftam, um produto especificamente desenvolvido para atender crianças que necessitam de oclusão. Oftam garante vedação perfeita com total adesão à pele e proteção contra à luminosidade, pois é feito com malha especial interna. Possui formato anatômico e proporciona uma fácil aplicação e um resultado estético discreto.
 
Além do Oftam tradicional, a AMP criou dois produtos especiais: Oftam Colorido e  Oftam Evolution.
 
Oftam Colorido: linha infantil mais lúdica e divertida, colorida composta por cinco versões: azul, amarela, vermelha, verde e rosa. Mesmo sendo colorido o produto apresenta as mesmas características de vedação do Oftam tradicional.
 
Oftam Evolution: é um produto único em todo o mundo, produzido em elastômero transparente, o que o torna mais estético. O material também oferece elasticidade, proporcionando  maior aderência e conforto. Para a criação do Oftam Evolution foram feitas inúmeras pesquisas e um profundo trabalho de desenvolvimento, até se conseguir chegar ao oclusor revolucionário, confortável e eficiente no tratamento de pacientes infantis.
 
A linha de oclusores Oftam já está à venda em farmácias de todo o Brasil.
 
A AMP- Soluções Terapêuticas é uma empresa preocupada em criar e desenvolver os melhores produtos para seus consumidores, e essa característica faz com que se destaque no mercado nacional e apresente um crescimento considerável no setor.
 
Flávia Ferreira                     fferreira@rodrigues-freire.com.br
Tel:                                      (11) 5080-3549/DDR (11)5080-3545

Crédito:Flávia Ferreira

Autor:Flávia Ferreira

Fonte:Universo da Mulher