Rio de Janeiro, 01 de Julho de 2022

Muito cuidado

No mês de celebração do Dia dos Namorados, psicóloga e psiquiatra destaca importância de conscientizar a população sobre os sinais de uma relação abusiva

Seja de forma física, verbal, psicológica, moral, sexual ou financeira, se qualquer um destes tipos de violência estiver presente em uma relação amorosa, você pode caracterizá-la como tóxica ou abusiva.

A psiquiatra Aline Sabino, da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo, esclarece que, em geral, o prejuízo causado pelas relações tóxicas é de ordem psicológica, enquanto relacionamentos abusivos podem causar danos psicológicos e físicos nas vítimas.

“Mas é importante lembrar que ambas são perigosas e uma relação tóxica pode vir a se tornar abusiva com o tempo.”

Conforme Natália Reis Morandi, psicóloga que também atua no Hospital São Camilo SP, casos de comportamentos tóxicos entre casais podem ser mais comuns do que se imagina, pois a vítima se vê envolvida emocionalmente e sua capacidade de discernimento daquela situação pode ser prejudicada, gerando dificuldade de compreensão e associação que esta é a possível causa de seu sofrimento.

“Exceto em situações em que há violência física, muitas vezes, os sinais não são claros à vítima, principalmente no começo do namoro onde tudo parece perfeito”, ressalta.

De acordo com a especialista, entre os danos causados por uma relação tóxica estão a perda da confiança, insegurança, ansiedade, quadros depressivos e queda na autoestima, sintomas que afetam a vida do indivíduo como um todo, podendo prejudicar suas relações familiares, situação financeira e até mesmo sua rotina profissional.

O assunto, que ganha repercussão cada vez maior na mídia, serve de alerta a todos, sobretudo nesta época do ano. “No Dia dos Namorados, as pessoas tendem a fazer grandes demonstrações de amor, o que é muito positivo. Porém, é necessário levar em conta todo o contexto da relação, uma vez que tais declarações podem mascarar comportamentos abusivos ou tóxicos”, afirma Natália.

Por que é tão difícil reconhecer que se está em uma relação tóxica?

A psicóloga destaca que uma das principais características de um parceiro tóxico é a habilidade de manipular o outro. “Muitas vezes, a vítima é envolvida com manifestações exageradas de afeto, mimos e gestos românticos, o que vai gerando uma dependência emocional, sentimento de culpa, confusão e incerteza em momentos que surgem situações de violência emocional.”

Além deste tipo de manipulação, outros sinais podem ajudar a identificar uma pessoa tóxica, conforme as especialistas do São Camilo:

Comunicação difícil

Uma pessoa com comportamentos tóxicos irá se beneficiar da instabilidade emocional gerada no seu parceiro ou parceira.

Natália lembra que brigas e desentendimentos podem acontecer em qualquer relacionamento, porém quando estão presentes comunicações agressivas, manipulações, controle excessivo, desconfiança e dificuldade de se responsabilizar por parte do parceiro(a), este pode ser um sinal de alerta.

“Tais situações podem aumentar a insegurança e a ansiedade da vítima, que procurará formas de se entender, se reconciliar e até mesmo aceitar condições em que não se sente confortável ou evitar assuntos para não gerar mais brigas”, explica.

Não assumir erros e responsabilidades

As especialistas destacam que um comportamento tóxico clássico é culpar o outro quando algo não vai bem.

“Para quem está iniciando um relacionamento é importante observar se a pessoa tem dificuldade de se responsabilizar pelo que faz, pedir desculpas quando não evidencia um benefício a si mesmo e se costuma depositar no outro os motivos de seu insucesso, culpando terceiros o tempo todo”, indica a psicóloga.

Isolamento e apatia

O excesso de crítica, ciúmes e controle do parceiro pode levar a vítima a se sentir intimidada e em constante alerta para evitar novos conflitos.

Em alguns casos, passa a evitar manter contato com seus grupos sociais, deixa de praticar atividades de lazer que antes eram importantes para o seu bem-estar, se isola e mantém a companhia apenas do parceiro(a), o que gera sentimento de impotência, impacto em sua autoestima e no seu autocuidado, o que traz prejuízos para a sua qualidade de vida.

De acordo com Dra. Aline, estes são sinais claros de que a relação está sendo prejudicial em um grau perigoso, pois já deteriora a saúde mental da vítima.

Portanto, ela recomenda ter atenção a pequenos detalhes, ainda no começo da relação, como:

- A pessoa sutilmente critica ou demonstra não gostar dos seus amigos

- Se mostra ciumento e/ou controlador sobre suas roupas, maquiagem, cabelo ou sobre a maneira como você fala com outras pessoas

- Quando você quer fazer algo que gosta, a pessoa ridiculariza ou não demonstra interesse

Natália salienta que todo relacionamento pode ter seus desafios e ajustes ao longo do tempo. No entanto, uma relação saudável deve ser leve e agradável, onde o que prevalece são os pontos positivos para ambos.

“Quando os pontos negativos superam as coisas boas da vida a dois e não há apoio e respeito às individualidades do outro, deve-se redobrar a atenção, lembrando que quando há sofrimento emocional significativo em um relacionamento amoroso, é importante buscar acompanhamento psicológico.”

A psiquiatra reforça ainda que é importante procurar ajuda profissional quando se está numa relação em que predomina o sentimento de culpa e medo.

“Muitas vítimas de relações tóxicas e abusivas podem desenvolver transtornos mentais, aumentando o risco para o abuso de substâncias como álcool e drogas.”

Segundo ela, estes problemas podem ser agravados pela sensação de impunidade e falta de orientação e apoio para sair da situação. “Ações de acolhimento às vítimas e de conscientização sobre como agem as pessoas tóxicas podem salvar a vida de muitas pessoas que vivem relações abusivas”, finaliza.

Sobre a Rede de Hospitais São Camilo

Especializada na assistência em saúde baseada em valor, a Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo conta com 5 unidades, que prestam atendimentos em mais de 60 especialidades, cirurgias de alta complexidade e transplantes de medula óssea.

São 3 unidades de hospital geral, 1 especializada em oncologia e 1 em reabilitação e cuidados paliativos. A Rede conta também com um Núcleo de Pesquisa Clínica que é referência no país, sendo considerado Top Recruitment - o maior recrutador de pacientes com mais de 40 estudos patrocinados na área de Oncologia.

Os hospitais privados da Rede subsidiam as atividades de cerca de 40 unidades administradas pela Sociedade Beneficente São Camilo e que atendem pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) em 15 Estados brasileiros.

 

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Vivian Fiorio

Fonte:Maquina