Rio de Janeiro, 16 de Agosto de 2022

Você é um líder emocionalmente inteligente?

Qual seu estilo de Liderança?

Como você costuma lidar nos diversos papéis que exerce e nas variadas situações do cotidiano?

Faz mais sentido para você ser aquele que altera o tom de voz, tem comportamentos reativos e impulsivos ou você prefere lidar com os estados emocionais que lhe “tiram do sério”, respirar fundo e analisar as diversas alternativas para se comunicar, antes de agir?

Em um ambiente corporativo, as pessoas são expostas a diversos fatores e situações estressantes e que influenciam diretamente seus comportamentos. Cobrança constante, rejeições, frustrações e pressão, em alguns momentos tendem a gerar uma carga considerável de emoções e sentimentos, que se não bem administrados, podem causar resultados indesejáveis.

Assim, quem possui um cargo de Liderança, deve ser capaz de separar e lidar com os diversos aspectos emocionais, deixando com que a razão e o conhecimento técnico, sejam também bem utilizados.

Quando cito “deixar”, refiro-me a quantidade de impulsos emocionais que são produzidos a cada segundo por nosso cérebro e que podem, ocasionalmente, inibir comportamentos e atitudes racionais, acelerando e estimulando respostas verbais e não verbais com alta carga emocional.

Para se ter uma ideia o cérebro racional emite 40 impulsos (entenda impulso como uma ação ou reação do cérebro) por segundo enquanto o cérebro emocional, 40 milhões de impulsos por segundo. Isso significa que o estímulo emocional chega a ser 1 milhão de vezes mais rápido que o racional. Por isso já ouvimos há anos das pessoas mais experientes: “Conte até 10” ou “Aguarde até amanhã”. Essas frases têm em seu conceito, o Acalmar do cérebro emocional e o Despertar do cérebro racional.

Para que você possa influenciar pessoas e times, você primeiramente precisa estar bem. Para entregar seu melhor, transbordar conhecimento, exemplo e referência, você precisa estar cheio. Para liderar pessoas, você primeiramente precisa se liderar.

Saber lidar com seus sentimentos e pensamentos, trata-se de um fundamento essencial para liderar outras pessoas. Conhecer e reconhecer isso, lhe ajudará, cada vez mais a impactar, influenciar outras pessoas, regular os ânimos do time e proporcionar com mais assertividade o engajamento de cada um.

Em 2018 a ONU (Organização das Nações Unidas) na reunião anual do WEF (World Economic Fórum) já havia elegido a Inteligência Emocional como uma das 10 Habilidades mais essenciais ao Profissional do Futuro. Após menos de dois anos e potencializada pela pandemia do COVID-19, a Habilidade de ser Emocionalmente Inteligente, se tornou talvez a mais necessitada para os Líderes Corporativos.

Segundo Daniel Goleman, um dos Especialistas mais importantes no estudo da Inteligência Emocional, ser Emocionalmente Inteligente é: “A Capacidade de criar Motivações para si próprio e de Persistir em um objetivo apesar dos percalços; de saber Lidar com Impulsos e aguardar pela satisfação dos seus desejos; de se manter em Bom Estado de Espírito e de impedir que a ansiedade interfira na capacidade de Raciocinar; de ser Empático e Autoconfiante.”

Líderes de Sucesso sabem que uma das principais maneiras da empresa realizar seus objetivos e obter resultados de Alta Performance, mantendo um Processo de Humanização com cada colaborador, é inserir e manter a cultura da Inteligência Emocional. São 5 os Pilares da Inteligência Emocional. Abaixo faço um paralelo entre eles e a Liderança.

#1 AUTOCONHECIMENTO/ AUTOCONSCIÊNCIA EMOCIONAL
Autoconhecimento é o processo que identifica padrões de pensamentos, hábitos e emoções pessoais e, a partir disso, permite que o indivíduo consiga melhorar suas respostas comportamentais, decisões, sua resiliência e seu desempenho em resultados. “Quando não há inimigo dentro, os inimigos de fora não podem fazer nenhum mal”.

Grandes líderes conhecem e compreendem suas forças e fraquezas, se comportam com humildade e assim lidam com os desafios sem deixar que suas emoções atrapalhem o seu posicionamento e/ou tomada de decisão.

#2 AUTOGESTÃO EMOCIONAL
A Autogestão Emocional é o processo de Administrar suas Emoções, conhecendo e reconhecendo cada pensamento, estado emocional, comportamento e resultado e assim escolhendo de forma consciente, o caminho que você desejará seguir e qual emoção decide alimentar.  “Antes de liderar outras pessoas você deve se liderar primeiro. Antes de estimular uma Emoção Positiva em alguém, você precisa entrar nesse Estado Emocional”.

Líderes precisam gerenciar suas emoções principalmente nos momentos de estresse, pressão por resultados e também mediante alguma solução de problema e/ou erro.

#3 AUTOMOTIVAÇÃO
Motivação = Motivo que gera Ação. A pergunta é você tem bem formulado, determinado, com prazo e conectados com seus valores e crenças seus principais motivos? Eles estão expostos e são compartilhados? E seu Time? Tem ciência de onde e o que você deseja cegar? Eles têm consciência de que seus objetivos ficam mais próximos na medida que os objetivos da equipe e da organização também são realizados?

O Líder precisa se Automotivar, ou seja, criar seus motivos para Agir e assim estimular a Automotivação em cada membro da equipe.

#4 EMPATIA
Ouvir a equipe, ajudar os membros do time a se desenvolverem, percebendo como se passa o “mundo” de cada membro, são pontos fundamentais da Empatia.

RESPEITAR – COMPREENDER – ADMIRAR fazem parte da Tríade da Empatia, uma ferramenta comportamental que lhe ajuda a entender mais outras posições perceptivas de cada ser humano. Praticar a empatia e se colocar no lugar dos liderados é essencial para inspirar e motivar os times. Conversas sinceras e feedbacks para tentar entender diferentes pontos de vista e prestar atenção aos sinais de descontentamento são algumas maneiras de ganhar o respeito e a lealdade das pessoas.

#5 HABILIDADES SOCIAIS
As habilidades sociais interferem na liderança e na Inteligência Emocional. Um líder que não as domina não consegue responder às mudanças ou gerir conflitos, além de ter problemas em conquistar a ajuda dos membros da equipe para entregar projetos ou alcançar metas.

Grandes líderes são aqueles que estabelecem boa comunicação e bons relacionamentos. Isso ajuda na resolução de conflitos, na valorização das equipes e na otimização de resultados.

 

(*) Bruno Adriano – Vendedor há mais de 22 anos, trainer em Programação Neurolinguística, especialista em Inteligência Emocional para líderes e para as organizações. Treinador Comportamental Sistêmico, que tem como seu lema e conceito a frase "1% Ao Dia", pois acredita que as pessoas e empresas podem e conseguem, dia após dia, aperfeiçoar seus processos e fazer pequenos ajustes e adaptações indo ao encontro de sua vida realizadora. Autor do livro "A jornada da felicidade", pela Literare Books International.

Crédito:Débora Luz

Autor:Bruno Adriano

Fonte:Literare Books