Rio de Janeiro, 25 de Maio de 2022

Quantas vezes você vai transar na vida?

Quantas vezes você vai transar na vida?
Voce ja pensou em quantas vezes vai transar na vida?
 
Os americanos, que têm estatística para tudo, chegaram a um número: 4 100, conforme estudo publicado no livro Sex in America (Warner Books, sem tradução para o português).
 
A média é próxima da brasileira, segundo Ailton Amélio da Silva, professor de relacionamento amoroso da Faculdade de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).
 
"Nossos costumes são semelhantes. Sabemos por pesquisas informais que a brasileira inicia a vida sexual aos 16 anos e continua ativa até os 65. Mas não há dados oficiais sobre isso no Brasil", informa o psicólogo, autor de O Mapa do Amor (editora Gente).

Ao longo dos cerca de 49 anos em que é sexualmente ativa, a mulher atravessa algumas fases bem distintas, cada uma com vantagens e desvantagens.
 
Entre as transas de número 1 153 e 2 592, por exemplo, ela está no período em que já sabe buscar seu prazer e tem um parceiro que a acompanha.
 
Já a partir das 4 000 relações, quando a mulher costuma ter uns 60 anos, ganha quem tem ao lado um homem jovem.
 
"A combinação ninfeta e homem mais velho é normalmente desastrosa na cama. A química perfeita rola entre a mulher mais velha, que já conhece os mistérios da sexualidade, e um rapaz mais novo, cheio de energia", atesta o professor Ailton Amélio.

As mulheres só não transam muito mais vezes, e até o fim da vida, por pressão social e educação repressora.
 
O pepino está na ligação entre sexo e envolvimento emocional.
 
Pesquisas mostram que, sem parceiro fixo, as mulheres chegam a passar anos sem sexo.
 
Uma pena, como diz o professor Ailton: "Se não fossem o bloqueio emocional que se impõe e a pressão social, as mulheres teriam uma vida sexual melhor e mais variada, e dariam um banho nos homens em vitalidade, fantasias e mesmo freqüência".
 
DA PRIMEIRA TRANSA ATÉ A DE NUMERO 432
 
Entre os 16 e os 24 anos a mulher transa quase 500 vezes.
 
Em geral são encontros rápidos e um pouco confusos: o casal não tem um lugar seu para o sexo, alguém pode interromper o momento, a inexperiência gera insegurança. "A menina tem medo de engravidar, de pegar doenças sexualmente transmissíveis e de que os pais descubram que ela não é mais virgem", diz Silva.
 
Os muitos obstáculos, porém, somados à curiosidade, funcionam como afrodisíaco, tornando a relação sexual mais cheia de excitação.
 
E a energia nesse período é inesgotável.
 
"Só não transo com meu namorado todo dia porque não temos lugar", revela a modelo Patrícia Sousa, 17 anos.
 
"Mas, pela falta de um canto nosso, partimos para a criatividade: cinema, escada do prédio... Já rolou até na rua.
 
É muito tesão!"

 

 

 

Crédito:Anna Beth

Autor:Marilia Cruz

Fonte:Sex in America