Rio de Janeiro, 28 de Setembro de 2021

A evolução técnica na aplicação de Botox® ao longo dos anos

Há mais de 10 anos no Brasil, a Toxina Botulínica Tipo A (BOTOX®) não só proporciona rejuvenescimento facial, como também melhora a qualidade de vida e a auto-estima dos pacientes tratados. Ao longo do tempo, com a evolução da técnica e popularidade, surgiram diversas dúvidas sobre este tratamento.
 
 
A Toxina Botulínica Tipo A é um produto biológico, ou seja, um medicamento obtido laboratorialmente a partir de organismos vivos, sendo uma substância cristalina em forma de pó que necessita ser diluída em solução salina para aplicação em pacientes.
 
 
                                          
 
Apesar da terminologia toxina, seu uso é extremamente seguro e comprovado em publicações científicas em todo o mundo. BOTOX® é uma marca comercial da Toxina Botulínica Tipo A comercializada pela Allergan, sendo esta a mais conhecida e mais estudada em todo o mundo.
 
 
No entanto, existem outras marcas de toxina botulínica tipo A disponíveis no mercado, mas estas não podem ser diretamente comparadas com BOTOX® porque apesar de todas apresentarem a Toxina Botulínica Tipo A como substância ativa, possuem formulação, eficácia e segurança distintas, interferindo diretamente no resultado do tratamento. Vale lembrar que não existem dois produtos biológicos iguais.
 
 
A toxina botulínica tipo A atua bloqueando a liberação da acetilcolina, um neurotramissor químico que estimula a contração dos músculos. Consequentemente, a partir deste bloqueio, a toxina botulínica tipo A impede que os músculos sejam estimulados a contrair, causando o seu relaxamento. BOTOX® não paralisa a musculatura onde é aplicado, mas relaxa o músculo responsável pela formação da ruga de expressão.
 
 
A aplicação da Toxina Botulínica Tipo A é indicada para o tratamento de rugas dinâmicas, ou seja, rugas causadas pela ação dos músculos durante a mímica facial.
As rugas mais frequentemente tratadas com BOTOX® são as linhas frontais (rugas da testa), as rugas glabelares (vincos entre as sobrancelhas), as rugas periorbiculares (pés-de-galinha), rugas nasais, e rugas periorais (rugas na boca).
 
 
                                               
 
 Ao longo do tempo, com o maior conhecimento sobre a ação da toxina botulínica tipo A, a técnica de aplicação de BOTOX® evoluiu. Atualmente, recomenda-se que a aplicação de BOTOX® seja sempre individualizada de acordo com as necessidades específicas de cada paciente, respeitando a individualidade de cada pessoa.
 
 
Esta técnica proporciona resultados mais satisfatórios, pois é possível oferecer resultados bastante naturais ou resultados mais artificiais, dependendo do objetivo do tratamento, dose e plano de aplicação estabelecido para cada caso.
“Hoje o segredo do rejuvenescimento com o uso da toxina botulínica tipo A não está mais em provocar o relaxamento de toda a face, mas apenas de alguns de seus pontos”, diz o doutor Otávio Macedo, médico dermatologista e membro da Academia Internacional de Dermatologia Cosmética.
Otávio Macedo explica que a tendência atual é a manutenção da naturalidade da expressão facial. “Os pacientes querem parecer jovens, porém não querem uma expressão congelada e, atualmente, esse resultado é possível por meio da individualização do tratamento.”
 
 
Para a dermatologista Dra. Ana Paula Gomes Meski, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, o tratamento com a Toxina Botulínica Tipo A deve ser feito de acordo com os objetivos estabelecidos entre médico e paciente, proporcionando ou não maior movimentação da musculatura tratada. “O ideal na aplicação de Toxina Botulínica Tipo A é personalizar o tratamento para oferecer resultados mais satisfatórios”, acrescenta a médica.
 
 
O tempo de duração do efeito terapêutico é variável de acordo com dose do tratamento e metabolismo de cada paciente, sendo em média de 4 a 6 meses. A perda do efeito com a Toxina Botulínica Tipo A é gradual, ou seja, o músculo recupera aos poucos a sua capacidade de contrair-se.
 
 
Ainda com relação aos efeitos do BOTOX®, existe uma confusão entre os efeitos da Toxina Botulínica Tipo A e do preenchimento facial. Estes procedimentos têm finalidades distintas e são indicados para o tratamento de rugas também distintas, podendo em alguns casos serem inclusive associados.
Dra. Ana Paula Gomes Meski explica que “A toxina botulínica tipo A atua relaxando a musculatura onde é injetada e não tem a capacidade de proporcionar aumento de volume. Quem tem essa capacidade é o preenchimento facial”, esclarece.
Com a popularidade e a consagração da eficácia de BOTOX®, surgiram também cremes tópicos que prometem efeitos similares à toxina botulínica tipo A.
Para a dermatologista e doutora pela Universidade de São Paulo, Dra. Bhertha Tamura, cremes e toxina botulínica tipo A atuam de forma totalmente diferente. “O creme age superficialmente na pele, pois não penetra até os músculos da expressão facial, ou seja, apenas trata superficialmente a pele enquanto que a Toxina Botulínica Tipo A trata a musculatura abaixo da pele e da gordura subcutânea, ou seja, age diretamente no músculo responsável pela formação da ruga ou linha de expressão”, explica a médica.
 
 
Por outro lado, a doutora lembra que os cremes podem complementar o tratamento com a Toxina Botulínica Tipo A por meio da suavização de linhas finas e hidratação da pele, porém não têm a mesma eficácia que BOTOX® (Toxina Botulínica Tipo A) na redução das rugas faciais. “Os cremes são hidratantes e cuidam da pele, mas jamais poderiam agir como a toxina botulínica tipo A que relaxa o músculo responsável pela formação da ruga”, acrescenta a doutora Bhertha.
 
 
Em termos econômicos, “o tratamento com produtos tópicos exige o uso em longo prazo de diversos tipos de cremes e protetores solares, geralmente importados ou de manipulação, o que custa caro e faz da toxina botulínica tipo A um procedimento mais econômico”, diz a dermatologista.
 
 

Burson-Marsteller
Agência de Comunicação BOTOX América Latina
Roberta Bernardo

Crédito:Fatima Nazareth

Autor:Roberta Bernardo

Fonte:Burson-Marsteller