Rio de Janeiro, 27 de Julho de 2017

Esquizofrenia

O transtorno não tem cura, mas pode ser controlado com terapia e medicamentos.
 
A esquizofrenia significa divisão, ou seja, a mente da pessoa cria uma separação entre o bom e o mau, o certo e o errado, como se ambas não pudessem pertencer a mesma mente.
 
É disto que provém as alucinações, confundindo a pessoa do que é real ou não. 
 
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), é um dos principais transtornos mentais que atinge 1% da população com idade entre os 15 e os 35 anos, e é a terceira causa de perda da qualidade de vida entre os 15 e 44 anos, considerando-se todas as doenças. 
 
A psicoterapeuta e diretora do Instituto de Psicologia Avançada AMO, Maura de Albanesi, afirma que, pesar do impacto social, a esquizofrenia ainda é uma doença pouco conhecida pela sociedade, sempre cercada de muitos tabus e preconceitos.

Essa doença, explica a especialista, pode se desenvolver gradualmente, tão lentamente que nem o paciente nem as pessoas próximas percebem que algo está errado, só quando comportamentos abertamente desviantes se manifestam.
 
O período entre a normalidade e a doença deflagrada, pode levar meses.
 
Há, no entanto, pacientes que desenvolvem esquizofrenia rapidamente, em questão de poucas semanas ou mesmo de dias. A pessoa muda as suas atitudes e entra no mundo esquizofrênico, o que geralmente alarma e assusta muito os parentes”, explica a Dra. Maura.

Não há uma regra fixa quanto ao modo de início: tanto pode começar repentinamente e eclodir numa crise inesperada, como começar lentamente sem apresentar mudanças extraordinárias, e somente depois de anos surgir uma crise característica.
 
Entretanto, comenta a psicoterapeuta, geralmente os primeiros sintomas são a dificuldade de concentração, prejudicando o rendimento nos estudos; estados de tensão de origem desconhecida mesmo pela própria pessoa, insônia e desinteresse pelas atividades sociais com conseqüente isolamento.
“Nos dias de hoje, os pais pensarão que se trata de drogas, os amigos podem achar que são dúvidas quanto à sexualidade, outros pensarão que são indagações existenciais próprias da idade”, diz a especialista.
 
Como tratar?
           
Os antipsicóticos são os medicamentos mais indicados no tratamento da esquizofrenia e representam um grande avanço no tratamento da doença, com redução das internações psiquiátricas e melhor integração dos pacientes à sociedade.
 
No entanto, as atuações da psicoterapia e as técnicas escolhidas para o tratamento podem otimizar, efetivamente, os resultados quanto à redução dos sintomas.
 
“Os medicamentos tratam as principais características da esquizofrenia, mas questões relacionadas diretamente ao convívio social da pessoa requerem tratamentos complementares como a reabilitação psicossocial e a psicoterapia. O tratamento psicoterapêutico visa integrar esta mente, e auxiliar a pessoa a perceber em si os conteúdos do seu inconsciente que estão se manifestando por meio das alucinações, que nada mais são do que projeções deste inconsciente que não é aceito pela pessoa. Uma vez que ela consegue perceber que tudo é produto de sua mente, poderá mais facilmente aprender a lidar com elas”, esclarece a Dra. Maura.
 
Qual o papel da família?

Os familiares são aliados importantíssimos no tratamento e na reintegração do paciente.
 
É importante que estejam orientados quanto à doença para que possam compreender os sintomas e as atitudes do paciente, evitando interpretações errôneas.
 
As atitudes inadequadas dos familiares podem muitas vezes colaborar para a piora clínica.
 
O impacto inicial da notícia de que alguém da família tem esquizofrenia é bastante doloroso, porque a doença é pouco conhecida e sujeita a muita desinformação.

“Frequentemente, diante das atitudes excêntricas dos pacientes, os familiares reagem também com atitudes inadequadas, perpetuando um circulo vicioso difícil de ser rompido. Atitudes hostis, criticas e superproteção prejudicam; apoio e compreensão são necessários para que o paciente possa ter uma vida independente e conviva satisfatoriamente com a doença”, finaliza a psicoterapeuta.
 
 
Maura de Albanesi – é psicoterapeuta, pós-graduada em Psicoterapia Corporal, Terapia Artística, Psicoterapia Transpessoal e Formação Biográfica Antroposófica; Master Pratictioner em Neurolinguística; e mestranda em Psicologia e Religião pela PUC. Diretora do Instituto de Psicologia Avançada AMO.
http://www.mauradealbanesi.com.br
 
 
 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Rodrigo Hernandes

Fonte:Holding Comunicações