Rio de Janeiro, 15 de Dezembro de 2017

Amélia? Nem tanto . . .

Amélia? Nem tanto . . .
Lavar pratos, lavar roupas, limpar o chão, preparar o jantar, cuidar das crianças, cuidar do marido...Ufa!
 
Que canseira danada!
 
Isso tudo sem contar com o trabalho fora de casa, com as aulas de ginástica, cabeleireiro, manicure, pedicure... ôh vida agitada essa, hein?
 
Ainda tem muito marmanjo por  aí que diz que trabalho de mulher é moleza, queria só ver se eles seriam capazes de dar conta do recado direitinho como a gente dá, claro que existem as raríssimas exceções.
 
Mulher tem jornada dupla e até mesmo tripla e para agüentar essa maratona a gente tem que estar em forma tanto física quanto mentalmente, afinal não são todas que têm o privilégio de ter uma empregada.
 
Em tempos de crise a gente precisa se virar do avesso mesmo, mas é preciso botar o maridão para ralar também, sem essa de ficar sentado na poltrona tomando cerveja e assistindo futebol, pra falar a verdade eu creio que essa safra de homens está se acabando, graças a Deus, pois pelo menos no meu caso e no caso da maioria das  minhas amigas e conhecidas esse tipo de marido não prevalece, não.
 
Homem que não sabe se virar na cozinha, que não sabe passar uma camisa e que nunca se habilita em ajudar a esposa nos serviços domésticos realmente é uma tragédia, mas não pense que a culpa é só dele, a culpa é da mãe dele também, sua sogra!
 
Pelo amor de Deus, não comece a xingar a velha ainda porque talvez você esteja fazendo a mesma coisa com seu filho.
 
Os homens de hoje (nossos maridos J ) são aquilo que suas mães ( as sogras ~) os ensinaram e os homens de amanhã serão aquilo que nós os ensinarmos hoje, por isso é bom ir ensinando seu filho a tirar pó dos móveis, varrer a casa... tenha certeza que suas futuras noras serão eternamente gratas.
 
Bem, mas geralmente, mesmo com os maridos ajudando, não tem jeito, a carga maior fica sempre nas nossas costas e tem muita mulher que detesta trabalho doméstico, eu mesma era uma que odiava, eu preferia trabalhar dobrado na empresa do que enfrentar uma pia cheia de louça suja ou um cesto cheio de roupas para passar, até me esforçava porque eu era obrigada, mas tudo o que fazia não dava certo, a comida saía salgada demais, as roupas queimavam no ferro, era um verdadeiro fiasco doméstico... mas ainda bem que as coisas mudam, porque senão a minha casa hoje seria um verdadeiro chiqueiro!
Eu queria uma solução e naquele momento só havia uma única coisa a fazer: botar a mão na massa e fazer direito.
 
Não é possível ter bons resultados em algo que não se está afim de fazer, como para tudo na vida, só com prazer se faz a coisa certa.
 
Entendi então que eu tinha que começar a gostar de cuidar da minha casa e isso foi um longo aprendizado, com mais erros do que acertos no início, mas com o tempo fui gostando de ver que eu levava jeito para a coisa, a minha casa passou a ser muito mais organizada e facilitou a vida da família toda.
 
Meu marido não reclamava mais que estava sem cuecas na gaveta, meus filhos não precisavam mais de mim para vesti-los, pois  encontravam as roupas que queriam direitinho nos seus armários e até a Mili, minha cachorrinha, estava mais feliz, afinal passou a comer na hora certa e tomar seu banho duas vezes por semana.
 
Claro que me deu uma baita canseira para por tudo em ordem no começo, mas depois ficou moleza, era só manter o ritmo.
 
Sobrou tempo até para eu aprender um pouco de culinária, aprendi a alimentar bem minha família e dei um chega pra lá nos sanduíches, pizzas e refrigerantes.
 
É gratificante hoje ver meus filhos saudáveis, bochechas rosadas, com disposição e ver o marido bem disposto e amável para me encher de carinhos.
 
Será que agir assim é ser Amélia?
 
Ah, nem tanto... talvez apenas seja ser inteligente!

 

 

Alexandra Blandy

 

Crédito:Alexandra Blandy

Autor:Alexandra Blandy

Fonte:Universo da Mulher