Rio de Janeiro, 04 de Abril de 2020

Casa e comportamento

É muito comum percebermos, como consultores, o comportamento das pessoas, dependendo de como a casa se apresenta.

 

Podemos descrever certos comportamentos, especialmente em locais de trabalho, pois, às vezes, passamos mais tempo no trabalho do que em casa, ou, também, onde as pessoas permanecem por mais tempo dentro de uma residência.

 

Por exemplo, em uma consultoria que fiz recentemente em um escritório contábil, percebi que uma funcionária estava trabalhando em uma mesa disposta em baixo da escada de acesso ao segundo andar. Relatei para a dona da empresa o comportamento que a funcionaria estaria apresentando e, para sua surpresa, além de confirmar os resultados, acrescentou que para aquela funcionária, não lhe faltava competência, porém se apresentava muito irritada, mal humorada, descontente, com falta de estímulo e todos esses componentes juntos acabavam fazendo dela uma má funcionária que contaminava as demais.

 

Tudo foi resolvido com a mudança da mesa do local, onde colocamos um aparador com vasos e folhagens que resistem e se desenvolvem mesmo em ambientes internos.

 

E quantas vezes você já não se pegou dormindo demais em certos locais da casa, em um sofá especifico, que quem se sentar nele não sairá tão cedo, ficando com muita preguiça, moleza e sem conseguir reagir. Insisto em dizer que harmonizar, ou melhor, prestar atenção no local onde trabalhamos e vivemos é vital, pois a permanência de pessoas em lugares insalubres, pode provocar desde um pequeno mal estar, depressão, doenças mais graves, pois estas energias nocivas vão minando nossas resistências, nos deixando a mercê do que estivermos predispostos naquele momento. 

 

Quando adoecemos nunca levamos em conta que, às vezes, o que pode estar provocando esta situação é o local, mas sempre achamos desculpas como o stress, a casualidade, hereditariedade, e outras coisas mais...

 

E o que é mais legal nisso tudo é que, em muitos casos, só a troca de um móvel de lugar, ou a neutralização dessas energias pode salvar ou melhorar muito uma situação em que uma pessoa se encontra.

 

E não são apenas as energias nocivas que perturbam, mas a monocromia das cores pode deixar as pessoas muito perturbadas, pois a falta de estímulo visual, somada a horas em frente a um computador, se torna insuportável.

 

No fim, estamos sempre falando em energias, ou no equilíbrio delas. Seja a visível ou a invisível, que é pior, pois ela existe, nos prejudica, e não temos como provar a sua influência para as pessoas que são descrentes e que, por não enxergarem essa energia, sofrem as conseqüências sem ter o direito de poder de se defender. Independente de acreditar ou não, elas estão ai no nosso dia-a-dia e, diante de uma vida agitada, cheia de preocupações e má alimentação é impossível ficar ileso.

 

Harmonizar um ambiente já é uma grande vantagem para conseguirmos atingir um equilíbrio necessário para que possamos viver com mais qualidade.

 

Já que temos que viver, que seja da melhor forma possível e recorrendo a sabedoria milenar de quem sabe das coisas. Nosso país é muito novo, e com muita mistura de culturas, mas, se não temos tempo de observar a natureza e como ela se comporta com a nossa interferência, temos que ter, pelo menos, a humildade de confiar em que já fez isso há muito tempo. Naqueles que observaram seus sinais e encontraram as respostas, então, porque não usar o que nos foi deixado como um legado por sábios observadores da natureza?

 

 

 

Elaine Furlan – Especialista em Feng Shui e psicanalista. www.casasaudavel.com.br

 

 

 

 

Crédito:Fatima Nazareth

Autor:Luana Alves

Fonte:Materia Prima