Rio de Janeiro, 14 de Julho de 2020

O perigo dos Piercings e das tatuagens

Procura por piercings e tatuagens durante o inverno aumenta o risco de contaminação pelo vírus da hepatite C
 
 
Para se precaver desta e de outras enfermidades, as condições de limpeza e esterilização de instrumentos utilizados nos estúdios profissionais deverão ser observadas antes da escolha do profissional que realizará o trabalho
 
Os riscos de contágio pelo vírus da hepatite C podem aumentar em decorrência da procura por piercings e tatuagens durante o inverno, época em que muitas pessoas preferem devido ao clima.
 
Essa procura deve ser seguida por uma série de cuidados tanto por parte do interessado em adornar o corpo como pelos profissionais que atuam nesse segmento.
 
O vírus da hepatite C é transmitido por meio do contato com sangue de pessoas infectadas.
 
 
Durante as sessões de tatuagem e colocação de piercings, há pequenos sangramentos que ocorrem com a perfuração da pele e, se nesse sangue estiver presente o vírus da hepatite C, a contaminação poderá ocorrer.
 
 
Segundo Dr. Fernando Tatsch, gerente médico da Roche Farmacêutica para área de hepatites, o vírus da hepatite C pode permanecer viável nos resíduos de sangue presente nos instrumentos usados pelos profissionais de tatuagem e piercings.
 
"Por isso, observar as condições de higiene e limpeza dos estúdios de tatuagem e piercing é fundamental", orienta o médico.
 
 
De acordo com Tatsch, uma vez feita a opção por colocar um piercing ou fazer uma tatuagem, deverão ser tomadas as seguintes medidas de segurança:
 
. Conferir se o estúdio ou clínica tem autorização de funcionamento expedida pela Secretaria Municipal de Saúde e Vigilância Sanitária e se o documento está afixado no local;
 
. Certificar-se de que você está com a validade da vacina antitetânica em dia;
 
. Verificar se a pele do local escolhido para realizar a tatuagem ou colocar o piercing está sadia - sem doenças, queimaduras ou alergias;
 
. Verificar se o ambiente onde o profissional atua é higiênico e se há fotos disponíveis no local para conhecer o trabalho já realizado por ele;
 
. Conhecer o profissional que vai aplicar os adereços e o trabalho realizado por ele e pedir que indique clientes do estúdio para consulta;
 
. Procurar saber como é feita a limpeza e a esterilização dos instrumentos utilizados durante o processo de tatuagem e colocação do piercing;
 
. Presenciar a abertura de agulhas e lâminas descartáveis e conferir o descarte das mesmas em recipientes próprios para esse fim;
 
. Confirmar com o profissional escolhido se as tintas a serem utilizadas por ele são atóxicas e destinadas especificamente para o uso de tatuagens;
 
. Verificar se os resíduos das tintas utilizadas para a sua tatuagem serão descartados após a conclusão do trabalho a ser realizado no local escolhido para a tatuagem ou colocação do piercing;
 
. Após a colocação do piercing ou aplicação da tatuagem, observar se há reações na pele, febre ou outros sintomas. Se isso acontecer, é recomendada a consulta a um médico para avaliação e orientação de como tratar o caso.
 
 
Portaria CVS-12, de 30-7-99

De acordo com a Secretaria de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo, a prática da aplicação de tatuagem e colocação de piercing oferece risco de contaminação para os clientes pelos agentes infecciosos veiculados pelo sangue, tais como: Vírus da Imunodeficiência Humana - HIV, Vírus da Hepatite C, Vírus da Hepatite B, dentre outros.
 
Segundo o artigo 3º inserido nesta portaria, os gabinetes de tatuagem e de piercing somente poderão funcionar mediante cadastramento junto às autoridades sanitárias competentes, com a identificação de seus responsáveis legais e identificação clara e precisa, de forma que a sua finalidade seja facilmente compreendida pelo público e que um cadastro de clientes atendidos, esteja disponível e organizado de tal forma que possa ser objeto de rápida verificação por parte das autoridades sanitárias competentes.
 
 
Outras Formas de Contágio

Os cuidados com a esterilização dos instrumentos para tatuagem e piercing utilizados pelos estúdios profissionais existentes no mercado deverão ser observados também nos salões de beleza de todo o país.
 
Alicates e outros apetrechos perfuro-cortantes utilizados comumente nesses locais deverão obedecer aos mesmos critérios de higiene e esterilização requeridos aos tatuadores/piercers.
 
De acordo com Dr. Tatsch, "caso haja alguma dúvida a respeito da esterilização desses materiais, levar seu próprio kit de manicure/pedicure poderá ser uma opção mais segura para a saúde", orienta.
 
Identificação

O médico informa ainda que a população que recebeu transfusão de sangue antes de 1992 constitui o grupo no qual a hepatite C ocorre com mais freqüência, uma vez que antes desse ano, o vírus C não era conhecido e testes para sua detecção não eram realizados nos bancos de sangue do país.
 
Apenas após sua identificação, passou-se a realizar a testagem universal do sangue de doadores, o que contribuiu para diminuir dramaticamente a chance de contaminação através das transfusões de sangue.
 
Mais informações sobre hepatite C podem ser obtidas no site www.hepatitec.com.br
 
 

 
 

Crédito:Cris Padilha

Autor:Luiz Affonso

Fonte:Universo da Mulher