Rio de Janeiro, 22 de Novembro de 2017

Existe filho perfeito?

Ter um filho obediente e educado e que de preferência desconheça o que significa manhas e birras é exemplo de filho perfeito para a maioria dos pais. Mas essa “perfeição” que a grande maioria dos pais espera dos filhos é realmente adequada para a formação de adultos?
 
Para esclarecer melhor o assunto, a coordenadora pedagógica do Colégio Itatiaia, Cláudia Fernanda Venelli Razuk, fala um pouco da relação dos pais com os filhos e como as grandes descobertas devem ser encaradas sem comparação. Confira:
 
Quanta espera, quantos planos e sonhos bons visualizando o pequeno que chegará para preencher nossas vidas. Imaginando seu sorriso ao brincar com o chocalho colorido, a carinha de satisfação na água morna e relaxante na hora do banho e as peraltices na moto elétrica que a madrinha, rapidamente, providenciou (e que a criança só usará aos três anos!).
 
Tudo pensado nos mínimos detalhes.
 
E quando ele chega é a festa – celebridade instantânea – entre os amigos e familiares.
 
A aprendizagem dos pais (e realidade) começa, adaptação e alegrias entre tentativas, erros e acertos.
 
E então, a grande descoberta: “Mas ele chora tanto!”, “Não quer comer...”, “Fazendo birra? Onde ele aprendeu isso? Aqui em casa que não foi!”.
 
Sim papais e mamães, é isso mesmo!
 
Que bom que tudo isso está acontecendo!
 
Nossa pequena celebridade está seguindo o roteiro direitinho!
 
Eis o filho perfeito!
 
Pois se vocês imaginavam que a “perfeição” seria o filho obediente, quietinho, pacato, enganaram-se.
 
Imaginem seu pequeno bebê crescendo e tornando-se um adulto no mercado de trabalho do século 21: quietinho, pacato e obediente...
 

Perfeita é a criança que explora, curiosa, que vai atrás de seus objetivos e não se deixa vencer com facilidade – grande personalidade!Perfeita quando começa a fazer a tão temida birra.
 
Sim, é necessário passar por essa fase, pois é o momento em que a criança tenta convencer o mundo de suas opiniões com as armas que tem, mesmo que seja tentando transformar o vaso de cristal em um desafiante quebra-cabeça.
 
Cabe aos pais ensinar o que é correto!
 
Não espere que uma criança de 01 ano e meio faça um discurso para convencê-los das vantagens de modificar a decoração da sala.
 
Ela simplesmente vai e faz!
 
E muito menos que ela diga: “Mamãe, obrigado, mas já estou plenamente satisfeita, não quero mais consumir esta deliciosa refeição”.
 
Mas então, “como fazer?”, perguntam os pais.Há que se conhecer um pouco da criança, não a criança do vizinho, mas a sua criança, seu filho, suas fases, respeitando cada etapa de seu crescimento. Gosto muito e uso constantemente a palavra “lapidar”. Os filhos são diamantes que devem ser lapidados diariamente.
 
Respeite a personalidade, não tente mudá-los ou compará-los, visto que cada criança que vem ao mundo é única! Mas ajude-o a compreender o mundo, dê apoio, mostre o correto.
 
É um momento de muita paciência e amor.
 
Educar significa, sim, cortar algumas arestas, mas acima de tudo colocar todos os holofotes no que seu filho tem de melhor.
 
Tenha sempre o olhar no que é bom, elogie cada ato de seu pequeno neste roteiro tão bem elaborado que é “aprender e crescer para o mundo”, que por si só é imperfeito, mas onde habita o mais perfeito dos seres humanos: seu filho!

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Cláudia Fernanda Venelli Razuk

Fonte:Universo da Mulher