Rio de Janeiro, 23 de Setembro de 2017

Derrubando os mitos sobre a fertilidade feminina

Simpatia para engravidar logo
Você que sempre quis ter um filho e já tentou de tudo e até agora não conseguiu, tente esta simpatia, considerada infalível.
 
Pegue um vidro médio e coloque guaraná até a metade, duas chupetas - uma azul e a outra rosa - duas fitas - uma azul, uma cor de rosa - açúcar, mel, pétalas de sete rosas brancas e mexa com duas velas uma azul e outra rosa.
 
Tampe deixando as velas dentro do vidro e coloque embaixo de um pé de rosa branca.
 
Feito isso, peça a São Cosme e São Damião para conceder a graça de ter um filho, prometendo a eles um bolo, um presente ou uma festa.
 
Oração para engravidar:
Repita esta frase e veja como Deus se move:
"Senhor, eu te amo e necessito de Ti. Estás no meu coração. Abençoa a minha família, a minha casa, as minhas finanças, a minha vontade louca de ser mamãe, o meu trabalho e meus amigos em nome de Jesus, Amém". Publica esta oração e amanhã receberás um milagre. Que Deus te abençoe.
 
Fonte: Site Místico
 
Mitos sobre a fertilidade feminina:
 
Mesmo em meio a tantos avanços científicos, que já permitem ao Brasil desenvolver pesquisas com células-tronco, e a uma imensa profusão de tecnologia, que abre novas mídias e diversos canais de comunicação, há lugares, no Brasil, aonde a informação simplesmente não chega.
 
Nestes lugares, a medicina é a popular, a prescrição médica é a recomendação do amigo, a reza vizinho ou a simpatia do parente.
 
A crença vale mais do que a ciência. E as crenças em saúde, apesar de, muitas vezes, não corresponderem ao conhecimento científico, não necessitam de comprovação para serem aceitas e incorporadas ao repertório popular.
 
O imaginário popular criou, ao longo dos tempos, uma série de idéias que foram se cristalizando como verdades absolutas, dando origem aos famosos "mitos" ou "preconceitos".
 
O corpo feminino e a fertilidade da mulher têm sido fontes de inúmeras fantasias que, ao invés de ajudar as mulheres, criam obstáculos.
 
“A Rede Latino-americana de Reprodução Assistida reúne, hoje, 135 centros de tratamento da infertilidade.
 
Deste total, 57 centros de reprodução humana estão localizados no Brasil, concentrados em apenas 25 cidades brasileiras. Esta concentração geográfica impede que a disseminação de informações sobre a fertilidade feminina seja mais ampla”, afirma o especialista em Reprodução Humana, Joji Ueno (CRM-SP 48.486).
 
Joji Ueno, que coordena do curso de Especialização em Medicina Reprodutiva, ministrado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, afirma que já desmistificou muitas crenças e mitos sobre a fertilidade feminina e o funcionamento do corpo da mulher.
 
A seguir, o médico lista algumas das dúvidas mais comuns, que foi reunindo, ao longo dos mais de 20 anos de experiência médica:
- Quem é mais responsável pelos problemas de fertilidade do casal: o homem ou a mulher?
 
Joji Ueno – Não há um responsável pelo problema de fertilidade do casal. Ninguém é mais responsável que o outro pelas dificuldades de gerar filhos.
 
Em cerca de 40% das vezes, a dificuldade provém do homem. Em outros 40%, da mulher, e, nos 20% restantes, os dois possuem problemas que impedem a gravidez. Para os casais com fertilidade normal, a chance de gravidez por ciclo ovulatório gira em torno de 20%.
 
Portanto, não é surpresa o fato de que podem se passar vários meses até que o casal consiga a gravidez.
 
Sabe-se que ao final do primeiro ano de relacionamento sexual ativo, sem uso de qualquer método anticoncepcional, 85% dos casais terão conseguido a gravidez.
 
Os 15% restantes, ou seja, 1 em cada 6 casais, não a conseguirão. Estes casais devem procurar ajuda médica para ter filhos.
 
- Quais são os principais motivos que impedem uma mulher de ter filhos?
 
Joji Ueno – São as alterações nas trompas - tubas uterinas - e no próprio útero, que representam aproximadamente 30% dos casos. As doenças sexualmente transmissíveis, a endometriose, as aderências causadas por cirurgias ou infecções, além das malformações no útero e nas trompas.
 
Outra causa comum de infertilidade feminina, responsável por aproximadamente 20% dos casos, é o distúrbio ovulatório.
 
Mulheres que não ovulam normalmente geralmente possuem ciclos menstruais irregulares ou até mesmo ausência de menstruação.
 
Algumas possuem excesso de hormônio masculino, além de oleosidade na pele, acne e excesso de pêlos, sinais estes que são indicativos da Síndrome dos Ovários Policísticos, onde os ovários ficam repletos de folículos imaturos e não ocorre a ovulação.
 
Outras mulheres possuem excesso de prolactina. O excesso de prolactina – hiperprolactinemia – que pode ser causado pelo uso de determinados medicamentos, drogas e estresse pode levar a distúrbios ovulatórios e à infertilidade.  Outros distúrbios ovulatórios também podem ser causados pelo uso prolongado de pílulas anticoncepcionais. Existem ainda causas mais raras que alteram o funcionamento dos ovários, como a menopausa precoce - insuficiência ovariana prematura - que pode ter caráter genético.
- Por que a endometriose pode causar infertilidade?
 
Joji Ueno – É fácil explicar a associação entre infertilidade e endometriose quando esta causa aderências nas trompas ou a obstrução total ou parcial das mesmas.
 
Nestes casos, a trompa não consegue captar o óvulo liberado pelo ovário no momento da ovulação.
 
Em algumas situações, a endometriose pode interferir no processo de desenvolvimento do óvulo e na ovulação, bem como na formação do corpo lúteo.
 
Em outras situações, a doença pode alterar vários mecanismos fisiológicos da reprodução, ao nível dos oócitos, na interação destes com os espermatozóides, na função tubárea, paralisando as trompas, no embrião ou na implantação deste na cavidade uterina.
 
- É verdade que a idade interfere na capacidade da mulher engravidar e que aos 37 anos não é mais possível ter filhos?
 
Joji Ueno – A partir dos 30 anos, e principalmente, após os 35 anos, ocorre um declínio no potencial reprodutivo. Após os 40 anos, a diminuição da fertilidade se acentua, ao passo que aumenta a taxa de aborto espontâneo.
 
A queda na fertilidade com o avanço da idade é um fato biológico.
 
Estima-se que a chance de gravidez por mês é de aproximadamente 20% nas mulheres abaixo de 30 anos, mas de apenas 5% nas mulheres acima dos 40.
 
Mesmo com os tratamentos avançados para infertilidade, como a fertilização in vitro (bebê de proveta), a fertilidade diminui e a chance de um aborto espontâneo aumenta nas mulheres após os 40. Há várias explicações para essa mudança na fertilidade, incluindo condições médicas, mudanças na função ovariana e alterações na liberação dos óvulos pelos ovários.
- Como deve ser feita a avaliação da fertilidade nas mulheres mais velhas?
 
Joji Ueno – Se uma mulher que já passou dos 35 anos decide engravidar é importante que ela procure o aconselhamento de seu médico.
 
Se o médico identificar qualquer problema que possa afetar suas chances de engravidar ou se ela estiver tentando conceber por mais de 6 a 12 meses, ela pode procurar um especialista de infertilidade.
 
As chances de gravidez diminuem com a idade, então é normalmente recomendado que todos os exames necessários sejam prontamente realizados.
 
A maioria dos exames de infertilidade pode ser feita em 1 a 3 meses e o tratamento apropriado pode ser iniciado imediatamente após a avaliação. Adicionalmente aos exames usuais de infertilidade, o especialista de infertilidade pode sugerir um exame de sangue para verificar os níveis de FSH e/ou estradiol no início do ciclo menstrual.
 
Os níveis desses hormônios podem sugerir se os ovários estão se tornando menos sensíveis aos hormônios (FSH e LH) que induzem a ovulação.
 
Embora as taxas de gravidez sejam menores em todas as mulheres acima de 40, mulheres com altos níveis de FSH e/ou estradiol no início do ciclo menstrual, independente da idade, também têm uma chance menor de engravidar.
 
Estar ciente destas informações poderá ajudar estas mulheres a decidir se o tratamento de infertilidade vale a pena, ou para decidir o tipo de tratamento mais adequado para ela em particular.
 
Atualmente, os programas de fertilização in vitro dispõem de alguns recursos para aumentar as chances de gravidez das mulheres com mais idade.
 
Estes recursos compreendem técnicas de laboratório, que são utilizadas para melhorar as chances de implantação dos pré-embriões, antes que estes sejam transferidos para o útero.
 
- Por que o aconselhamento genético é importante para as mulheres mais velhas que decidem engravidar?
 
Joji Ueno – Pelo fato das crianças nascidas de mulheres acima de 40 terem um risco maior de problemas cromossômicos, essas mulheres podem desejar falar com seu médico ou procurar aconselhamento genético antes de tentar a gravidez.
 
Eles fornecerão informações quanto às chances de ter uma criança com problema cromossômico, como a Síndrome de Down, e as opções de exames pré-natais se a gravidez for atingida. A biópsia de vilo coriônico e a amniocentese são dois métodos de exames pré-natais.
 
Mais recentemente, tem sido possível detectar certas doenças antes da transferência dos pré-embriões, quando se realizam técnicas de fertilização in vitro. Esta técnica moderna chama-se Diagnóstico Genético Pré-implantacional (PGD).
 
Do ponto de vista histórico, o PGD pode ser visto como uma extensão do diagnóstico pré-natal e só foi possível após os recentes avanços no campo da fertilização in vitro. Se o pré-embrião apresentar algum defeito genético, detectado pelas técnicas citadas, este não será transferido para o útero, transferindo-se apenas aqueles saudáveis.
 
- Injeções anticoncepcionais podem comprometer a fertilidade da mulher?

Joji Ueno – Com a interrupção da injeção mensal, a fertilidade da mulher logo retorna. Já com a medicação trimestral, permitida durante a amamentação, pode haver um atraso no retorno da fertilidade. Em média, costuma demorar quatro meses após o término do efeito da injeção.
 
- E quando a mulher pára de tomar pílula, ela fica mais fértil e pode engravidar mais rápido?
 
Joji Ueno – O uso de anticoncepcional oral não interfere na maior ou menor fertilidade da mulher.
 
- É preciso ter os dois ovários e as duas trompas para engravidar?
 
Joji Ueno – É possível engravidar com apenas um ovário e uma trompa.
 
- Relações sexuais nos dias da ovulação resultam sempre em gestação?
 
Joji Ueno – Não, mesmo se o casal tiver relações sexuais todos os dias, durante um mês, incluindo o período fértil, apenas 20% das mulheres irão engravidar.
 
Por outro lado, muitas vezes, uma única relação, no mês, pode resultar em gravidez, principalmente no caso das mulheres mais jovens.
 
- Quanto mais precoce a primeira menstruação, mais cedo chegará a menopausa?
 
Joji Ueno –  Não há relação entre as duas ocorrências.
 
- A mulher que conseguir engravidar por meio de uma das técnicas de reprodução humana assistida só vai conseguir engravidar, uma próxima vez, utilizando o mesmo método?
 
Joji Ueno – É possível engravidar normalmente, ou, naturalmente, após a realização de um tratamento de reprodução assistida e vice-versa. Vai depender da causa que motivou a reprodução assistida. 
 
Se a paciente tiver uma subfertilidade, ela poderá engravidar naturalmente em outra oportunidade.  Porém, se a causa for algo que impede a gestação espontânea, como, por exemplo, a ausência das tubas, a gravidez somente será possível com o auxílio da reprodução assistida.
 
- Qual seria o primeiro tratamento recomendado para um casal infértil?
 
Joji Ueno – Depende muito de cada caso, devemos partir dos tratamentos mais simples para os mais complexos, cada caso será tratado diferentemente. É importante lembrar que qualquer tratamento discutido é uma opção a ser considerada.
 
Alguns casais decidem que a melhor opção é não fazer um tratamento para a infertilidade, mas considerar alternativas como a adoação ou viver sem filhos. Atualmente, a tratamento moderno da infertilidade fornece à mulher muito mais opções do que eram possíveis no passado. Se uma causa de infertilidade for identificada, o médico pode sugerir um tratamento específico.
 
Muitas vezes, a gravidez é obtida com condutas mais simples que a reprodução assistida. 
 
Entretanto, algumas vezes nenhum problema específico é identificado e a infertilidade é inexplicada.
 
Na presença de infertilidade inexplicada, ou quando os tratamentos convencionais fracassam, tratamentos avançados de infertilidade tais como superovulação com inseminação intrauterina programada ou a fertilização in vitro podem ser sugeridos.
 
Assim como em qualquer tratamento, a idade afeta as chances de gravidez. É útil pedir ao médico que discuta as taxas de sucesso de qualquer terapia recomendada e quantos ciclos de tratamento são recomendáveis.
 
Clínica GERA
Rua Peixoto de Gomide, 515
Conjuntos 11 e 12
São Paulo- SP
Atendimento: de segunda a sexta-feira
Horário: entre 09:00 e 19:00
Telefone: (11) 3266 7974
 
 
  


 

Crédito:Fatima Nazareth

Autor:Márcia Wirth

Fonte:Excelência em Comunicação