Rio de Janeiro, 26 de Março de 2017

Depilação a laser: Fim dos pêlos indesejáveis

Depilação a laser: Fim dos pêlos indesejáveis
A evolução da espécie tem sido responsável por transformar a pele humana através dos tempos.
 
De animais peludos nos tornamos seres praticamente lisos, quase desprovidos de pêlos na maior parte do corpo. Os que os possuem sofrem com foliculites, pêlos encravados que afetam barba, virilha, axilas e pernas.
 
Para cirurgiã plástica, pós-graduada em Medicina Estética, Audrey Worthington é inegável o papel dos pêlos como protetores da pele, mas com o progresso da humanidade, eles vêm se tornando cada vez mais desnecessários em algumas regiões do corpo. 
 
Neste sentido, os equipamentos de laser são uma verdadeira revolução: trouxeram muitas vantagens frente a outros tipos de procedimentos.
 
“Eles diminuem o desconforto dos pacientes em relação à dor e aceleram o processo de redução por longo prazo dos pêlos”, justifica a médica.
 
Com a aplicação do laser, os pêlos vão ficando cada vez mais finos e escassos.
 
A técnica é ideal para pessoas de pele clara com pêlos escuros e grossos, mas recentemente foi liberada para todos os tipos de pele.
 
Por enquanto, ainda não existe tecnologia para os que têm pêlos claros e brancos. "A depilação a laser não era indicada para peles morenas e bronzeadas, pois os equipamentos não distinguiam a melanina da pele da cor do pêlo, trazendo riscos de queimaduras e manchas”, recorda-se Audrey.
 
Segundoo a médica, é importante saientar que a luz específica dos laseres de depilação tem afinidade pela melanina. Por isto, quanto mais preto e grosso o fio,  mais melanina, mais rápida a destruição pelo laser.
 
O problema é a pele escura ou bronzeada pode absorver a energia e queimar.
 
Os equipamentos mais modernos trabalham com velocidade de exposições, minimizando os riscos.
 
Embora mais seguros e eficazes, os equipamentos não garantem resultados iguais para todas as áreas.
 
O sucesso do procedimento depende do tipo, distribuição e espessura dos pêlos, biotipo do paciente, antecedentes familiares, influência hormonal e associação a fatores estimuladores do crescimento.
 
Audrey explica que o tratamento exige, no mínimo, três sessões para apresentar resultados eficazes.
 
"Cada região do corpo tem tempos diferenciados para o crescimento dos fios e intensidade de folículos pilosos. O número de sessões e o intervalo entre elas depende desses fatores", avalia.
 
Antes de submeter à depilação a laser, a médica aconselha que mulheres com muitos pêlos devem passar por uma avaliação hormonal. 
 
"Desequilíbrios podem ser causados por  excesso hormônios masculinos, responsáveis pelo surgimento pêlos",  recomenda.
 
Entre as reações indesejáveis ao laser, Audrey  alerta para o surgimento de queimaduras, vermelhidão, dor, manchas e bolhas. Também podem ser observadas alterações na espessura da pele ou aumento dos pequenos vasos superficiais.
 
O laser é uma solução para homens e mulheres que desejam remover pêlos por um longo prazo, ou até definitivamente em alguns casos.
 
As principais áreas indicadas para receber os tratamentos a  laser são: rosto, buço, sobrancelha, pescoço, seios, abdômen, virilha, axilas, orelhas, narinas e pernas.
 
“Além das mulheres, o laser é muito procurado por atletas que precisam eliminar pêlos para ter um melhor rendimento e por  aqueles que sofrem com pêlos encravados”, informa. “Os pêlos que não são eliminados, geralmente crescem mais lentamente, são mais finos e mais claros”.
 
 
TIPOS DE LASER
 
O órgão de fiscalização americano, FDA – Food and Drug Administration, aprovou os seguintes tipos de laser para a depilação definitiva ou para redução gradual dos pêlos:
 
Photoderm (LID): o método utiliza a luz pulsada e é ideal para pessoas com a pele clara e pêlos escuros. A luz pulsada não é laser. O procedimento concentra-se no pigmento escuro, descarregando sua energia nas áreas pigmentadas, destruindo o folículo piloso.
 
Epilaser (Laser de Rubi): Tem boa eficácia, mas também deve respeitar as mesmas condições da luz pulsada: pele clara e pêlo escuro para evitar manchas na pele.
 
Light Sheer (Laser Diodo): é o mais recente e pode ser aplicado em pessoas com pele morena, negra e bronzeada. Devido a um mecanismo, o Laser Diodo protege o tecido e, por isso, pode ser aplicado em qualquer tipo de pele, sendo raras as ocorrências de manchas. O método também é recomendado para o tratamento de depilação facial.
 
 
DICAS DA DRA. AUDREY
 
·                    Quem quer se submeter à depilação a laser deve fugir do sol por duas semanas antes  e até seis depois do procedimento.
 
·                    O laser emite um feixe de luz que rapidamente neutraliza o pigmento (melanina) que se encontra na raiz do pêlo.
 
·                    Todas as regiões do corpo podem ser submetidas ao laser. O método atinge melhores resultados em pessoas de pele clara e pêlos escuros; os pêlos claros têm menos melanina, o que dificulta sua remoção.
 
 
 
 
·                    O tratamento geralmente é dividido entre 4 a 6 sessões. Em cada sessão são extraídos cerca de 25% dos pêlos da região escolhida.  As sessões são simples e não exigem nenhuma preparação especial.
 
 
·                    Antes de iniciar o tratamento, o paciente deve se submeter a uma consulta médica,  com dermatologista, para certificar-se de que não apresenta nenhuma doença dermatológica que possa ser prejudicada com o laser.
 
·                    A depilação a laser costuma remover cerca de 70% dos pêlos da região escolhida. O tratamento costuma surtir efeitos prolongados (2 a 5 anos) ou até definitivos, dependendo de uma série de fatores. Os pêlos voltam a crescer mais finos, fracos e em pequena quantidade.
 
·                    O tratamento não é indicado para gestantes, mães em fase de amamentação, e pessoas com doenças de pele como vitiligo ou com tendências a formar quelóides.
 
 
Serviço:
A Audrey Clinic atende de segunda a sexta-feira, das 8 às 19 horas. 
Mais informações e marcação de consultas pelo tel.: (11) 5548-7262.
 
 
Audrey Katherine Worthington (CRM 75398) é cirurgiã-plástica pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, pós-graduada em Medicina Estética pela Sociedade Brasileira de Medicina Estética.
 
É também membro da Academia Brasileira de Medicina Antienvelhecimento, fellow do Serviço de Cirurgia Plástica da Free University de Amsterdã, na Holanda.
 
Atualmente é diretora da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia e coordenadora do curso de pós-graduação em Medicina Estética da FAPES – Fundação de Apoio à Pesquisa e Estudo na Área de Saúde.
 

                                                                                               *Dr.Cid Yazigi Sabbag
                                                                                        Dermatologista e Cosmiatra
                                                                                          Clínica Charles Yamaguchi
 

Crédito:Clarice Pereira

Autor:Dra. Audrey Worthington

Fonte:Link Comunicação