Rio de Janeiro, 26 de Abril de 2017

Programa de índio

Famoso balneário na costa atlântica do Marrocos, mas que é uma furada
 
Não há praticamente nada para fazer e, sem contar que os hotéis gozam de péssima infraestrutura.
Agadir ficou mundialmente conhecida na década de 40, quando vários filmes hollywoodianos foram filmados por lá.
 
O que me levou até a cidade foi ter lido num livro da Carmen Mayrink Veiga, que ela já tinha passado férias na cidade, ainda jovem. E, como eu sempre a admirei, fui fazer o mesmo.
A maior roubada.
Programa de índio! 
 
 
 
Se você calhar de fazer um pit-stop em Agadir, não se surpreenda com hordas de bibas e mulheres (na maioria europeus), que vão até lá em busca de sexo árabe. É uma coisa!
 
Há muitos escort boys (garotos de programa) prontos para acompanhar quem está afetivamente carente.
A culinária marroquina é muito saborosa, mas e difícil acham um bom restaurante por la.
 
De Agadir para  a encantadora e exótica Marrakesch é um pulo. Recomendo conferir Marrakesch e seu mercado.
 

 
Havana, Cuba
 
Para mim foi uma decepção, logo na chegada ao aeroporto internacional de La Habana, quando fui ovacionado com perguntas da oficial de imigração.
Não podemos esquecer que ser duro e mostrar autoridade faz “ou fez” parte do regime socialista.
 
Casais interraciais, aconselho escolher um outro destino de férias para evitar problemas relacionados a racismo na Ilha de Fidel. Foi um choque “de certa forma” constatar que os cubanos são muito racistas e que eram completamente diferentes daquele povo alegre, gentíl e hospitaleiro, de quem eu sempre ouvi falar.
 
 
 
 
No meu primeiro dia de viagem,  após o check-in no hotel Sofitel, fui barrado pela segurança do hotel, que pensou que eu fosse cubano e talvez um michê.
Como é sabido, os cubanos não podem ter contatos com os estrangerios por razões governamentais.
 
 
Quando tive minha entrada embargada pelo tal seguranca, tive que rodar o baianao – algo que pouco condiz com minha finésse nata de um lorde inglês – e fui arrogante: “ Eu tenho cara de probre, como você?”, perguntei ao segurança, numa forma de defesa.. “ O que eu estou vestindo é Prada.”
Soltei mais uma vez o veneno, como se o pobre rapaz tivesse a mínima idéia do que a grife Prada significaria.
 
Tolinho eu! O mesmo desagrado foi repetido durante nossas ( minha e de Dirk) idas à praia, com os policiais pedindo ao Dirk ( meu parceiro) para tomar cuidado, já que eu poderia ser um ladrão ou até mesmo um prostituto.
Daí, perdi a cabeça mais uma vez ( Cuba não fez nada bem a minha elegância), afivelei minhas Louis Vuittons e parti rumo ao Caribe Mexicano.
 
Agora outra coisa que acabou com as minhas férias em Cuba foi a escassez de comida. Mesmo com dinheiro não se encontra muita coisa de qualidade para comer. Uma tristeza.
A comida é muito básica: arroz e feijão full time, mas se fosse como o servido no Brasil, super bem temperado, no problem! Mas a iguaria é servida já misturada e tem um aspecto horroroso!!!
 
Só as frutas, que são mangas, bananas maravilhosas.
 
Ao contrário do que se pensa, tudo la é bem caro para os estrangeiros. Prepare-se para dar $1 porque assim que sentirem o cheiro de gringo no ar, tenha certeza que alguém vai te pedir. Foi mesmo uma pena ter tido toda a imagem que eu tinha dos Cubanos – um povo alegre, gentil e hospitaleiro ser manchada dessa forma.
Pensei que eles seriam como os brasileiros, mas tudo passou de um ledo engano.

 
 
Manila, Filipinas
 
Fui parar na capital filipina por causa de um vôo que eu tinha pro Japão.
 
Cheguei ate lá vindo de Bangkok, num vôo de primeira classe da Lufthansa. Ia ficar 3 dias na cidade, mas como Manila não passa de um lugar que não tem nada para fazer, resolvi encutar meu sejour.
 
 
 
 
A cidade é super espalhada, e seu centro, pequeno e sem flair.
 
Na verdade o que faz as Filipinas um país famoso, são suas praias e ilhas paradisíacas como Cebu. Uma das poucas atraçoes turísticas de Manila, para não dizer a única:  Intramuros, ruínas de um muro construído, ainda na época da colonização espanhola. Rastros dos espanhóis vão além do estilo arquitetônico, o Tagalog, idioma oficial do país, é uma mesca de espanhol, inglês e língua local. Uma loucura! 
 
Os filipinos são meio sérios e, nem de longe, lembram a cordialidade, algo bem característico nos asiáticos.
 
Outra coisa super atípica na Ásia é que não se come bem no país.
As iguarias chegam a ser um tanto bizarras: que tal comer feto de um pinto, dentro de um ovo cru?
 
Tem que ter coragem..Digamos que seria a gemada deles? (risos) Manila tem uma semelhança com o Rio de Janeiro ou Sampa: é super vilolenta. Há muito sequestro, e o alvo são os ricos, e, claro, os turistas.
 
 

Key West, Flórida, Estados Unidos
 
Após mais de 3 horas na estrada de Miami até Key West, fiquei desolé quando deparei com milhares de americanos, super mal educados, devorando baldes e baldes de frango frito do KFC (rede de fast food norte-americana).
 
Ninguém merece.
 
 
Key West, apesar de pertencer ao todo poderoso Estados Unidos, está mais perto de Cuba do que de Miami. É apenas parada para vários navios e cruiseliners. O público GLS já descobriu a ilha há muito tempo, mas até agora estou me perguntando o que faz a ilha especial. O que vale a pena é a viagem de Miami até la – muito bonita a paisagem, rica em fauna e flora, num clima tropical.

 
 
Phuket, Tailândia
 
Se já era um dos destinos mais visitados na Tailandia bem antes do filme “The Island”, com o Di Caprio, imagine depois da película, então!!
 
A tsunami, em dezembro de 2004, que destruiu a ilha praticamente na época já é coisa do passado: Phuket  está praticamente de volta com gás total.
Evite Patong Beach, centro de Phuket, onde os turistas com fome de sexo asiático estão concentrados. Patong também abriga um mercado imenso de produtos de grifes famosas, mas é claro que tudo é falsificado. Uma das caracteristicas da Tailândia é que é um país muito louco, cheio de contraste, onde é possivel estar num hotel de luxo, sair dali e deparar com um favelão, sentir um cheio maravilhoso apsergindo de várias carroças de vendedores de comida e, alguns passos adiante, pode sentir um fedor insuportável. Isso tudo de uma vez.

 
Dicas:
 
Brasileiros que forem a Tailândia nao precisam de visto de entrada, mas têm que estar munido de atestado de vacina contra febre amarelha, ja que o Brasil está numa zona endêmica.
Viajar dentro da Tailândia e baratérrimo seja por ar ou terra.
A culinária é uma das mais saborosas do mundo. Muito curry de várias formas faz parte da gastronomia local
 
 
 
Próxima coluna: Suíça
Contatos com o colunista: danieljreynolds@hotmail.com
Telefone: 0049 171 766 00 53
Por Daniel Reynolds, Frankfurt, Alemanha.
 
 

 

Crédito:Daniel Reynolds

Autor:Daniel Reynolds

Fonte:Universo da Mulher