Rio de Janeiro, 28 de Maio de 2017

Dia da Igualdade Feminina - 26 de agosto

No Brasil conhecemos muito bem o Dia Internacional da Mulher, 8 de março, mas você já ouviu falar do Dia Internacional da Igualdade Feminina?

Ele é comemorado em 26 de agosto e celebra o dia em que os Estados Unidos permitiram que as mulheres fossem às urnas pela primeira vez, em 1920.

Quem tornou essa conquista possível foi o movimento sufragista, composto por mulheres de diversas classes sociais que chegaram a recorrer à desobediência civil para garantir o direito de votar. Isso parece tão distante da gente, não é mesmo?

Mas veja só que surpresa: no Brasil, o direito só foi garantido por lei em 1932. Na Arábia Saudita, apenas em 2015.
 

Baixa representatividade, direitos restritos

Apesar de podermos escolher nossos governantes, apenas 10% dos parlamentares da Câmara dos Deputados e 16% do Senado são do sexo feminino, mesmo depois desses 84 anos. Ver outras mulheres governando e pensando em nossos direitos ainda é uma realidade distante – e um dos grandes motivos para ressaltarmos que, sim, ainda precisamos discutir desigualdade de gênero.

“Comparado a outros países, o Brasil está muito aquém dos avanços em termos de participação política das mulheres”.

Quem diz isso é  a jurista Silvia Pimentel, integrante do Comitê sobre a Eliminação da Discriminação contra a Mulher da ONU (CEDAW/ONU) e co-fundadora do Comitê Latino-Americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher (CLADEM).

Amargamos a 153ª posição no ranking mundial da representatividade, atrás até do Afeganistão. Ela conta que isso não apenas dificulta a conquista de outros direitos como, também, traz retrocessos àqueles já adquiridos.
Por exemplo: a Lei Maria da Penha é um grande avanço, mas ainda é difícil fazê-la valer por causa do comportamento machista de uma parcela dos juízes e delegados. A permissão para interromper a gravidez em casos de estupro e anencefalia também está em xeque graças a projetos de lei que rodam na Câmara (criados por homens, aliás).

Desigualdade no seu bolso

Em 1970, apenas 18% das mulheres brasileiras trabalhavam fora, enquanto o número hoje chega a 44%, segundo o IBGE.

“Embora a mulher tenha saído de casa para ajudar nas finanças da família, ela também teve que manter as funções no lar, pois o homem não as assumiu”, aponta Silvia.

O resultado?

A famosa dupla jornada, que faz com que trabalhemos 14,2 horas a mais do que eles por semana (23,9h contra 9,7h), de acordo com a PNAD. Se olharmos de perto, ainda veremos que a disparidade é maior entre mulheres negras e pobres.

Há, ainda, a diferença de salário. No Brasil, nosso rendimento médio equivale a 74,6% do masculino. Infelizmente, essas disparidades afetam até mesmo a economia.

A equidade de gênero adicionaria nada mais, nada menos do que US$ 12 trilhões ao crescimento econômico global, o equivalente a quase R$ 39 trilhões! Se até 2025 a presença de brasileiras em cargos relevantes fosse de 51%, o PIB cresceria 30%.

Esses dados são da pesquisa da Consultoria McKinsey para o movimento Women Matter (“Mulheres Importam”, em tradução livre).
 

Afinal, por que continuar lutando?

Porque ainda ganhamos menos, trabalhamos mais, sofremos violência doméstica, moral e sexual e, de quebra, precisamos ouvir piadinhas sempre que nos opomos a essas opressões.

Talvez seu estilo de vida seja mais confortável, você possa pagar creche para seus filhos e até contratar uma outra pessoa para cuidar dos afazeres domésticos.

Mas, e as menos favorecidas – incluindo pobres, negras, periféricas, homoafetivas e transgênero?

Apenas a união fará com que todas nós, mulheres, alcancemos a tão sonhada igualdade de gênero celebrada neste dia 26 de agosto.

“Somos nós que temos que abrir os olhos e atuarmos a partir do local que estamos inseridas. Podemos conversar com filho, marido, colegas de trabalho... Ao se deparar com uma situação machista, em vez de dar lição de moral, faça perguntas. Mas não permita que isso aconteça sem fazer nada”, finaliza.

 

 

 

Crédito:Luiz Affonso

Autor:Clozel Comunicação

Fonte:Livia Clozel